quarta-feira, 31 de julho de 2013

Diário de uma astróloga – [57] – 31 de Julho de 2013


Um caso de sincronicidade

A nossa casa em Cape Cod foi-se, e com esta venda o lugar onde a família se reunia também desapareceu. O meu marido e eu vamos ter a nossa casa em Portugal, a minha filha, o marido e os três filhos vivem perto de Londres e o meu filho, a sua mulher e os seus três filhos vivem agora em Seattle.

Nos últimos nove anos, os nossos filhos e netos chegavam a Cape Cod para passarem as férias de verão. Durante estas breves semanas eu cozinhava os seus pratos favoritos, prestava os primeiros socorros em casos de cortes e arranhões, tomava conta dos bebés, acartava com uma série de pranchas para a lagoa e para a praia. Em resumo, fornecia um refúgio para que todos pudessem relaxar e estar bem.

Esta casa tinha um jardim onde eu, usando um pouco de criatividade e alguma imaginação, projectei e construí um jardim astrológico. O glifo de cada signo do zodíaco estava presente e a sua função ou localização reflectia um dos significados essenciais do signo.

A Wikipedia define um símbolo como "um objeto que representa, significa, ou sugere uma ideia, crença, ação ou entidade material". Sendo uma astróloga arquetípica, estou ciente da importância dos símbolos e tinha prazer em mover-me à volta deles. Sempre que empurrava uma das crianças no baloiço sentia a energia de Leão, que está ligada à juventude, diversão e jogos. Cada vez que ia ao canto escondido do meu jardim deitar os restos de frutas e verduras no compostor reflectia no do poder transformativo de Escorpião que do lixo faz uma terra rica.

Os dois signos mais relacionados com a casa e o que ela representa em termos de ser um lugar onde a família estava reunida sob a asa protectora da matriarca são:

Caranguejo = casa, família, raízes, segurança emocional, carinho, protecção maternal, bebés
e
Capricórnio = estrutura, tradição, responsabilidade, autoridade, pessoas mais velhas

O Caranguejo era um bebedouro de pássaros


que simbolizava o cuidado em fornecer água fresca para as aves, e o Capricórnio era uma estrutura formada a partir de um velho pinheiro


simbolizando tanto a casa como uma construção, como a autoridade inerente a sermos os mais velhos.

O símbolo de Caranguejo partiu-se quando pusemos a casa à venda e, quando chegámos para esvaziar a casa para os novos proprietários, o símbolo de Capricórnio estava por terra, os restos da velha árvore durrubados pela última tempestade.

Carl Jung definiu sincronicidade como "ocorrências temporalmente coincidentes de eventos acausais". Não foi a venda da casa (Capricórnio) de família (Caranguejo) que causou a quebra destes símbolos, mas é certamente uma coincidência significativa. Os dois tipos de acontecimentos deram-se ao mesmo tempo em universos paralelos, o simbólico e o real, ambos contidos no conceito de Unus Mundus.

A sincronicidade não se limita à astrologia, mas a astrologia é o meu método de tornar consciente as conexões entre o mundo interior e o exterior. A quebra do bebedouro (Caranguejo) e da velha árvore (Capricórnio) deu-se ao mesmo tempo em que estrutura que eu construí para a minha família estava a desaparecer, assim como o meu mundo emocional (ainda que temporariamente) estava a desabar.

Sinto-me privilegiada por viver num universo encantado, cheio de significado que, apesar da dor de me despedir do lugar que amo, está a dizer-me numa linguagem clara que era altura de o largar.

Luiza Azancot

terça-feira, 30 de julho de 2013

Duas Últimas (ou da gestão das amizades)

Como formamos amizades? Melhor ainda, como as mantemos? Poderíamos falar na antiguidade, no manancial de memórias comuns que revestem os amigos de um capa que os protege da erosão do tempo. Poderíamos falar na semelhança de interesses, sangue, percursos, que juntam seres humanos e lhes conferem um relacionamento mais ou menos duradouro. Poderíamos falar ainda da intensidade com que as pessoas convivem umas com as outras, o grau de intimidade, de proximidade, de partilha.

Não haverá, estou certo, argumentos que se excluam. Talvez a resposta à pergunta inicial seja apenas uma: tudo é possível, tudo é aplicável - a antiguidade, a semelhança, a proximidade, outras. Talvez uma resposta à pergunta inicial não esteja tanto na generalização do universo, mas na redução ao indivíduo: como formo eu as amizades, como as mantenho eu? Mesmo com este afunilamento do espectro não haverá, seguramente, respostas únicas. Se calhar a forma como criamos e mantemos os nossos amigos é mais uma vez díspar - a antiguidade, a semelhança, a proximidade, outras

Em momentos da vida de um indivíduo - e falo, sobretudo, da minha faixa etária - há escolhas que se fazem, porque somos amigos da maria e do manel e um deles desapareceu, porque somos amigos da maria e do manel e os dois estão desavindos, porque somos amigos da maria e do manel mas  aproximamo-nos naturalmente de um ou de outro. O que nos faz pender para a maria ou para o manel? O que nos faz continuar com um quando o outro desapareceu? Haverá respostas certas? Não sei, mas estou em crer que a proximidade é um factor importante. Não falo apenas da proximidade inerente a amizades antigas e militadas mas, sobretudo, da proximidade que advém da partilha da intimidade, da quantidade de vezes que abrimos a alma a quem, à nossa frente, aprecia um café e uma bola de berlim enquanto ouve as nossas angústias, as nossas incoerências, as nossas inseguranças.

Em momentos de viragem, dificilmente as amizades resistirão à antiguidade e à semelhança se a relação não tiver sido alimentada com outras coisas. Um pouco como se houvesse uma estética e uma rotina no relacionamento que não sobrevivem à eventualidade das escolhas, dos tempos difíceis, do desejo de interlocução e de intimidade, do lugar único à mesa que se prefere ocupar com um coração que se abriu connosco, e não com a finura de umas mãos ou com o porreirismo de uma conversa. 

Nicolas de Chamfort, francês e poeta, entre outras coisas, terá afirmado: M. dizia: "renunciei à amizade de dois homens, um porque nunca me falou de si, o outro porque nunca me falou de mim."   

Deixo-vos com Pavarotti and friends, porque me pareceu a propósito...

JdB

   

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Vai um gin do Peter's?


Depois da grande exposição da Joana Vasconcelos (JV) em Versailles (recorde de 1,6 milhões de visitantes), onde teve a maior afluência dos últimos 50 anos, é no Palácio da Ajuda que podemos ver os seus últimos trabalhos, bem integrados no património histórico daquela residência real(1). Surpresa e humor serão, talvez, as notas dominantes, embora também impressione a versatilidade das suas peças, cuja maioria se harmoniza com aquele espaço carregado de memórias antigas.


Dir-se-ia ser uma missão impossível a obra de JV – vistosa, extravagante e de tamanho proeminente –  enquadrar-se em salões bem recheados e de estilo marcante. In loco, percebe-se como a sua arte se soube conciliar com o mobiliário palaciano, à parte de uma ou outra peça mais estridente e desalinhada do conjunto. 

Sobre a escala agigantada de JV, é curioso observar que vem dos primórdios da sua criação artística, onde o trabalho de fim de curso era de tais dimensões que pôde montar no interior um cocktail de acolhimento aos visitantes. Acumulava assim a dupla função de entretenimento e interacção com o público, sem se contentar com a observação à distância.

Também hoje, são várias as instalações da JV que devem ser experimentadas e percorridas por dentro. Assim acontece com o jardim do Éden, que se estende ao longo de uma das salas próxima da entrada. Ou o cacilheiro (noutra exposição) que representa Portugal na Bienal de Arte de Veneza, preparado para receber passageiros a bordo e mostrar um rol de produtos e materiais tipicamente portugueses, da cortiça aos azulejos, passando pelos têxteis: 


Cacilheiro antigo remodelado, que foi objecto de inúmeras reportagens
(ex: da RTP -   http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=655919&tm=4&layout=122&visual=61    

No interior, a palete de azuis e verdes a lembrar os fundos marinhos.

O humor e a imaginação fulgurante são das suas imagens de marca. O calhambeque preto do avó, com a carroçaria coberta de espingardas plásticas, a dar boleia a dezenas de peluches, parece saído do Muppet Show! Estacionado no hall imenso junto à porta Sul, é um momento hilariante da exposição, para relaxar do jogo de descoberta dos objectos da JV, bem encaixados na decoração original do Palácio.

«War Game», 2011

Outro tanto se podia dizer do helicóptero que preenche uma das salas, recriando um cenário Walt Disney. De facto, a componente lúdica, convidando-nos a alinhar numa charada de detectives e ir além da visita passiva, é muito comum na artista.

O mega-coração encarniçado, a pender do tecto de um salão, surte um efeito mais sereno e estético, apesar da ausência de materiais nobres na sua feitura. Mas a luminosidade translúcida e a volumetria circular e harmoniosa adapta-se maravilhosamente, quer a décors minimalistas e modernos, quer em monumentos de séculos anteriores.

«Coração Independente»

Outra das suas linhas de força é a reciclagem de matérias pobres, kitch, claramente estranhas ao universo elitista das artes, como as panelas metálicas das gigantescas sandálias «Marilyn», esplendidamente montadas de modo a formar um todo coerente, que só ao perto se percebe não passarem de um trem de cozinha.

Da hábil mistura do artesanato passadista e em vias de extinção com o património etnográfico luso, saíram peças vanguardistas e de linhas clássicas, ideais para dialogar com o mobiliário da Ajuda. Aí se destacam as cerâmicas coloridas da Bordalo, aproveitando uma divertida colecção de animas revestidos a crochet branco, que releva figuras expressivas e com óptimo movimento, agora a sobressair com um rico rendilhado algo palaciano.  


Muitos outros objectos do quotidiano e até estátuas, foram cobertas do mesmo crochet, actualmente em desuso, mas muito enquadrável no estilo oitocentista daquela residência, onde os têxteis ocupam lugar de destaque.


A focagem dos objectos comezinhos, do dia-a-dia urbano, envolve também uma crítica social. É disso exemplo a televisão sempre ligada num dos salões, ou o tal brinquedo que cumpre excessivamente à letra o termo por que é conhecido: war game, ou a colecção infinda e consumista de gravatas a esvoaçar num artefacto de escaparate de loja com ventoinha acoplada.  

Há uns anos atrás, no CCB, a Joana teve expostas uma colecção mais completa e, diria, ainda mais impressionante (para lembrar, ir ao gin de 5 de Maio de 2010), com obras espalhadas pelos jardins do Centro, de um arrojo e beleza invulgares, valendo a pena recordar o entrançado fabuloso das varandas pombalinas, com 5m de altura:  

(2010) Garrafão de 5 m de altura, tecido no rendilhado de ferro forjado das
varandas pombalinas, que uma grua colocou no Jardim das Oliveiras.

Entre o Palácio da Ajuda e as muitas esplanadas a inaugurarem nos terraços da capital, Lisboa promete ser ainda mais apetecível, este Verão.

Maria Zarco
(a  preparar o próximo gin tónico, para daqui a 2 semanas)
_____________
 (1) Até 25 de Agosto:  joanavasconcelos-pnajuda.pt.
Além de Veneza, a artista está também presente numa exposição em Palma de Maiorca, na galeria de arte Horrach Moya. 

domingo, 28 de julho de 2013

17º Domingo do Tempo Comum

Hoje é Domingo, e eu não esqueço a minha condição de Católico.

Há um desafio de círculo virtuoso dentro de nós. Talvez o tempo verbal não devesse ser , mas antes deveria haver, para que a frase fique mais correcta - tristemente mais correcta. E no entanto esse desafio tem de existir - o de pensar mais no pecador do que no pecado. Eu explico, porque da clareza das ideias dentro de nós não ressalta, forçosamente, a mesma clareza para os outros.

A expressão atenuante é-nos familiar, corriqueira. Dizem os dicionários que é a circunstância que diminui a culpabilidade de um criminoso ou faltoso. Transpondo esta definição para a dimensão dominical, também há circunstâncias específicas que atenuam a falta - o pecado, na linguagem da religião - de um cristão. Tudo isto nos parece óbvio e de uma clareza indiscutível, porque não nos passaria pela cabeça julgar alguém num tribunal sem atender às tais atenuantes, e com isso eventualmente mitigar a pena. Regressemos então à órbita da igreja (no sentido em que igreja somos todos, e não apenas a hierarquia) e questionemo-nos: olhamos mais para o pecado ou para o pecador? Isto é, reduzimos o acontecimento em questão à simples constatação de que houve incumprimento de regra, ou atendemos à dimensão pessoal do acto em si, com todos os circunstancialismos?

Dir-me-ão os meus poucos leitores: esse problema pouco mais é do que lana caprina, porque todos nós já olhamos mais para a pessoa do que para o acto, porque isso é da mais elementar justiça. Será assim? Pois talvez, mas eu continuo a falar disto. Talvez seja porque tenho visto muito - começando para dentro de mim próprio - e sei como ainda reagimos. Ou se calhar sou apenas um ingénuo maçador. Talvez, quem sabe...

Bom Domingo para todos.

JdB

***     

EVANGELHO Lc 11, 1-13
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo,
estava Jesus em oração em certo lugar.
Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos:
«Senhor, ensina-nos a orar,
como João Baptista ensinou também os seus discípulos».
Disse-lhes Jesus:
«Quando orardes, dizei:
‘Pai,
santificado seja o vosso nome;
venha o vosso reino;
dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência;
perdoai-nos os nossos pecados,
porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende;
e não nos deixeis cair em tentação’».
Disse-lhes ainda:
«Se algum de vós tiver um amigo,
poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer:
‘Amigo, empresta-me três pães,
porque chegou de viagem um dos meus amigos
e não tenho nada para lhe dar’.
Ele poderá responder lá de dentro:
‘Não me incomodes;
a porta está fechada,
eu e os meus filhos estamos deitados
e não posso levantar-me para te dar os pães’.
Eu vos digo:
Se ele não se levantar por ser amigo,
ao menos, por causa da sua insistência,
levantar-se-á para lhe dar tudo aquilo de que precisa.
Também vos digo:
Pedi e dar-se-vos-á;
procurai e encontrareis;
batei à porta e abrir-se-vos-á.
Porque quem pede recebe;
quem procura encontra
e a quem bate à porta, abrir-se-á.
Se um de vós for pai e um filho lhe pedir peixe,
em vez de peixe dar-lhe-á uma serpente?
E se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á um escorpião?
Se vós, que sois maus,
sabeis dar coisas boas aos vossos filhos,
quanto mais o Pai do Céu
dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!».

sábado, 27 de julho de 2013

Pensamentos impensados


Gestos
A linguagem gestual que se vê na TV é segundo o novo acordo ortográfico?
 
Dizimados
Os sem-abrigo não podem pertencer à IURD, não conseguem, sequer, pagar a "milízima" quanto mais a dízima.
 
Lutas
O livro Mein Kampf, de Hitler, foi publicado no formato livre de boche.
 
Doenças raras
Os ossos podem ter azia: chama-se osteo-pirose.
 
Realmente
Os republicanos são irrealistas.
 
Verborreias
Falava pelos cotovelos; já o filho era o contrário; era calado pelos cotovelos.

SdB (I)

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Das redes sociais

Fotografia de JMAC, o homem de Azeitão

Não tenho Facebook. Com uma frequência muito errática, não superior, estou certo, a três vezes por ano, entro na conta de gente próxima e por ali deambulo, qual turista em feira da ladra - com um interesse sociológico à cuca de uma oportunidade inesperada. Ao fim de quinze ou vinte minutos repito-me maçadoramente: não quero, e não vislumbro motivo para algum dia querer. Não vou entrar em considerações de privacidade ao nível da internet, de informações nossas com que alguém fica e que encheriam um livro de mil páginas; não argumento com o facto de não poder apagar-se o que lá está e que só se diluirá no éter dentro de vinte mil anos, o que torna o arremesso de plástico para o oceano num exercício de cidadania. Deixo de parte a utilização profissional desta rede social.

Raramente encontrei no FB tema que me interessasse. É mais fácil encontrar uma agulha num palheiro do que algo que valha a pena ler-se, com excepção, talvez, de gente criativa que dá motes desafiantes. Fora isso as pessoas comentam tudo de uma forma que me parece vazia de interesse, cheia de lugares-comuns que não ficam na memória, até porque muito poucos querem saber o que diz o próximo. Ou então investe-se tempo - normalmente tempo utilizável - a dizer que giro, adorei, estás o máximo, porque alguém pôs a fotografia do cão, do neto, da praia, de uma frase piedosa do Rabindranath Tagore transformada em cartaz motivacional.

Dizem-me que se encontram amigos antigos, que se fica a par das existências alheias ou do que faz furor no momento. O argumento contra, mais imediato, é a vantagem de se cultivarem amizades físicas,  não virtuais. Quem tem 5000 amigos no FB - e eu sei de quem os tem -  não é amigo de nenhum, apenas cultiva uma corte que sabe estar ávida de lhe espreitar o interior doméstico. O FB é, e perdoe-se a generalização sempre perigosa, o assassinato da privacidade na sua forma mais básica. Pouco falta para que alguém partilhe com o mundo a evolução da sua obstipação, disponibilizando tabelas nas quais se comparam frequências ou tempos médios entre...

Por outro lado, o FB é o paradigma de um época com contornos detestáveis, que se quer rápida, efémera, de consumo imediato, que deita para o lixo o tempo das coisas, o cuidado com a estética e com o estilo, que mata a proximidade e o cerimonial, que desnuda aos olhos alheios o que poderia ficar no recato. É uma época que ridiculariza os preceitos e as formalidades, que quer impor FB, twitters, sms e quejandos a tradições que têm séculos e que se manterão activas - ainda que lentas - mesmo quando as redes sociais tiverem sido descartadas em nome de algo mais invasivo ainda.  

A esmagadora parte dos meus amigos - por quem tenho grande consideração - está no Facebook. Mesmo assim, peço a quem me está mais próximo que, no dia em que me detectarem um vago interesse em abrir conta, me questionem e depois me internem. Mas também pode ser ao contrário, que aqui, tal como na multiplicação, a ordem dos factores é arbitrária.

JdB   

  

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Das perdas

Ontem, por motivos que não vêm ao caso, citei as primeiras palavras do Amazing Grace, um hino tradicional protestante, com letra escrita pelo inglês John Newton e impresso pela primeira vez em 1779:

Amazing Grace, how sweet the sound
That saved a wretch like me
I once was lost but now am found
Was blind, but now I see

O tema da conversa não era o protestantismo, nem sequer a música, que aqui disponibilizo num versão gospel. Falávamos de perdas, no seguimento de um texto que encontrei há algumas semanas num blogue e que enviei a várias pessoas:

Na sequência da discussão anterior, o que se pode opor à perda de lei (o nosso amor, um filho, um pai querido etc)? Tanto quanto sei hoje, misturando a experiência pessoal, a profissional e as leituras, só existe uma coisa. Uma única coisa.
Recapitulemos. As grandes perdas são histórias de destruição natural, como as de Sebald, Arrasam planos, esperanças, sim, mas também a vontade e o quotidiano. Um pouco como um avião que nos leva para um fuso horário desconhecido, num descampado onde até as nossas mãos não parecem nossas. Basta sentarmo-nos à mesa, à hora habitual, e olhar para  a cadeira agora vazia: jet lag demoníaco.
A rotina é uma aliada. Como nas cidades destruídas, reerguer as paredes, limpar um poço, procurar batatas velhas. Ou seja, levantar cedo, ir trabalhar, suportar  o trânsito. Não chega, essa pele fina de normalidade.
A unica coisa com potencial equivalente à destruição é a criação. John só muito tarde percebe o que é o  grande malogro -  "não ser nada" -  quando Mary morre finalmente. A Fera na Selva vale por uma enciclopédia de psicologia, porque mostra o axioma numa cronologia contrariada.
E o que é criar por oposição a perder? É pintar, escrever, ler, plantar, fazer um amigo, arranjar um amante, ter um filho, enfim, fazer de novo. Só assim a perda se integra e  ocupa o seu lugar na ordem natural das coisas.

Na volta do correio vieram várias respostas, porque a conclusão do texto, como dizia um amigo, é uma resposta, não é a resposta. Ou, precisando, talvez seja parte da resposta. Com outro bom e estimado amigo a conversa rondou para outros ventos: pode aquilo que nos faz mal e que abandonamos ser considerado uma perda? 

O tema das perdas levar-nos-ia longe e a mim fenece-me a sabedoria para o desenvolver de um ponto de vista mais genérico, sem enveredar por experiências próprias. Do que precisamos, na realidade, para superar as perdas? É a criação, como vem no texto reproduzido? É o sentido para a vida, como falava Viktor Frankl, o homem da logoterapia? É a fé? É uma vontade indómita e totalmente racional? Não sei. Já vivi o suficiente para saber que não sei, que cada caso é um caso, que os lutos (no sentido lato da da perda, e não forçosamente da morte) se fazem de forma diferente, porque cada um de nós é um mundo irrepetível.

A letra do hino - sobretudo a primeira quadra - é particularmente elucidativa e, diria mesmo, universal. De todas as perdas, mesmo os abismos que abandonamos, os Homens saem perdidos. Vencer a perda - qualquer que ela seja - é poder gritar bem alto, mesmo que seja para dentro de nós próprios, que a cegueira e os desnorte foram vencidos. 

JdB      


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Do prazer dos textos

Fotografia de JMAC, o homem de Azeitão

Começo eruditamente, citando Roland Barthes: il faut toujours défendre cette chose, en nous, dont on se moque. Cito ainda algo que ouvi e que lhe foi atribuído, embora não o tivesse podido comprovar: o estilo é genético. As duas frases concorrem para o mesmo sentido argumentativo? Não sei, sinceramente, embora na minha cabeça façam sentido, porque fala do que somos e do que devemos defender em nós, em nome da coerência.

Vem esta erudição bacoca a propósito de um jantar onde estive há quase uma semana, e onde se festejaram, de surpresa, os 60 anos de um bom amigo, de um bom homem. Para adornar a festa, foi pedido a todos os casais presentes que redigissem anonimamente um texto relativo ao aniversariante. O desafio dele seria casar escrito e autor.  
      
Passados alguns dias, numa destas conversas electrónicas que mantenho com quem tem a caridade de me ouvir e de me falar, eu discorria sobre a hipotética relação entre o que somos e a forma como escrevemos. Como se liga a genética ao estilo? O que do nosso feitio influencia a nossa forma de redigir? É um exercício interessante, que fica para os que têm curiosidade - ou apenas vagar. 

Deixo-vos com um magnífico texto que foi enviado particularmente ao aniversariante e que, com autorização de emissor e destinatário, agora publico com gosto, como se mirasse a beleza e dela tirasse matéria de estudo.

JdB

***


Alegoria à tua celebração natalícia.
Mês de Julho, mês da eterna Volta à França, do Tour.
Aqui a volta não é à França, mas à Vida; no mais tudo é o mesmo.
Giras há exactamente 21915 dias.
O “Tour” cumpre-se nesses longínquos Campos Elísios que te acolherão para seres eternidade no Pai em que acreditamos.
Até lá, sucessão de etapas, à cadência de cada novo dia, a vencer e a vencer-se.
Sempre mais caminho a percorrer, sempre caminho feito, andamento, movimento; passado, presente e futuro, irmanados e igualados pelo manto do asfalto.
Muito e tanto já pedalaste, tudo fará sentido quando cortares a meta, chegares ao teu Paris. Completarás aí a tua Volta à Vida e perceberás então, não antes, a razão de cada troço, de cada quilómetro. O xadrez da bandeira que te saudará é este teu puzzle decifrado.
Estás, pois, numa prova e tu bem o sabes. Já provaste o mel e também o fel, já acreditaste e também já negaste, já amaste e também já deixaste, já culpaste e também já perdoaste, já riste e também já choraste, já deste e também já pediste, já quiseste e também já recusaste, já lembraste e também já esqueceste, já conseguiste e também já falhaste, já ganhaste e perdeste, já entusiasmaste e também já desanimaste, já rumaste e também já derivaste, já falaste e também já calaste, já viste e também já ignoraste, já gritaste e também murmuraste, já suaste e também já tiritaste, já tudo fizeste e o seu contrário também. Excepto fugir - nunca te escapaste ou escondeste quando era a tua vez, respondeste sempre quando chamado, jamais te acobardaste.
Foi esse não fugir, esse estar sempre, continuar infinitamente a lutar e a rolar, sem parar ou até esmorecer que te valeu essa camisola amarela que, justa e merecidamente, ostentas, e que todos respeitamos e saudamos ao ver passar. Honra e louvor aos vencedores, campeões como tu, o público pleno de admiração saúda-te.
Sempre agarrado ao Guiador em sua fé, equipado com o teu imenso coração, nobre carácter, valores e inteligência, ética e senso, distinção e estética, determinação e coragem; vais galgando a distância, cada futuro que surge, cada curva do destino, cada lomba. Corres e voltas a correr, resistes e continuas a resistir, acreditas e continuas a acreditar, fazes e continuas a fazer, esperas, enfrentas, assumes e percorres cada subida intransponível, cada descida arrepiante, cada recta interminável. Animas e conduzes, amparas e ajudas, levas a tua cruz, e também a dos teus outros, honras a tua camisola e as tuas cores. És chefe de fila, nasceste para o ser e ousaste sê-lo. Consegues sempre suplantar e suplantar-te. És um líder. És um bom. És um exemplo. És uma esperança.
Tudo porque acreditas e fazes acreditar.
Porque falamos? Porque nós estávamos lá, nos Pirenéus do teu sofrer, mas também nos Alpes da tua felicidade. No entretanto, rolámos juntos nas planícies da tua tranquilidade, esperáramos-te ansiosamente nos contra-relógios da tua especialidade, aguentámos as tuas estiradas, segurámos as tuas fugas, cobrimos os teus sprints, torcemos nas tuas metas volantes, ansiámos nas contagens de montanha, emparelhámos nos reabastecimentos, planeámos nos briefings, exultámos no teu pódio, enxugámos as tuas derrotas, assistimos-te nas tuas quedas e avarias. Afinal fomos, somos, e seremos, a tua Equipe,
you will never walk alone.
Amigos? Também, mas mais, muito mais, irmãos ciclistas deste teu Tour.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Duas últimas

O meu primeiro contacto com música cabo-verdeana pode ter sido há muitos anos - e veio por via física. Há, nos recônditos da minha memoria, a ideia de um casamento da empregada de um amigo de infância, já lá vão 40 anos, talvez. Eu seria, seguramente, um miúdo com 14, 15, 16 anos, no máximo, e terei dançado com quem me desafiou para isso - ou quem eu desafiei... Foi o mais próximo que tive de Cabo Verde - uma(s) rapariga(s) do arquipélago que comigo terá(ão) varrido o recinto numa morna ou numa coladera.

Há pouco mais de uma semana fazia zapping, e parei na RTP África. Durante meia hora, talvez, fui ouvindo o que se tocava e cantava em S. Tomé e Príncipe. Toadas boas umas, outras nem tanto. Mas por ali fiquei, a matar saudades dos meus tempos zimbabweanos, das danças no Pointe ou noutros locais. Sábado voltei a parar no mesmo canal, tendo percebido que Bana, um dos maiores (em altura e qualidade) cantores cabo-verdeanos tinha morrido. Assisti então a parte de um espectáculo em sua homenagem, quando ele completou 80 anos, em 2012. O meu post para o Duas Últimas estava feito!

Deixo-vos com Bana, a cantar inigualavelmente duas mornas. Se quiserem dancem, ou imaginem o que seria dançar com gente local, muito arrimada, muito próxima, muito sensual, porque o pecado foi uma coisa inventada por quem não sabe o que é música africana... 

JdB


segunda-feira, 22 de julho de 2013

Pensamentos impensados


Provérbio
Mais vale um Seguro na mão que Soares e Alegre a vociferar.

SdB (I)

Korlai (Portugal no Mundo)

Cantigas de portugueses, 
São como barcos no mar
Vão de uma alma para outra,
Com risco de naufragar

(Fernando Pessoa)

Ao  incentivar casamentos de portugueses com naturais, Afonso de Albuquerque cria em todo o Oriente português raças luso-asiáticas com alma própria. Raças que através dos séculos souberam sentir e manter o que de bom receberam dos portugueses. Tendo em comum centenas de palavras de origem portuguesa,  as línguas crioulas que nasceram, tal como aconteceu no Brasil e em África formaram uma teia de intercomunicação que inundou toda a Ásia. Língua franca nos séculos XVI,  XVII e XVIII,  obriga a Companhia de Jesus (IHS) a aconselhar  que missionários estrangeiros  aprendam  português antes de embarcar. 


No Oriente cristão as práticas religiosas são feitas em português. Nomes, arquitectura, culinária, danças e cantigas ou são portuguesas ou se mescladas, fazem lembrar Portugal.   
              
João de Barros (1496-1570) autor das "Décadas da Ásia", na sua "Gramática de Língua Portuguesa" (1539) diz  que a língua portuguesa sobreviverá  aos restos materiais da presença portuguesa na Ásia! Os crioulos, são autênticos arquivos orais de cantigas e de contos lusos.

Ao ler o livro "De Chaul a Batticaloa" do texano K. David Jackson, também  autor de  "Os Construtores dos Oceanos",  professor de português em várias  Universidades Americanas, linguista, dedicado estudioso da Cultura Portuguesa no Oriente, sentimos amargura perante a indiferença política quanto aos "crioulos". Herança inestimável deixada  por Portugal, hoje considerada  Património da Humanidade! 


Em 1973, o antropólogo romeno Laurentiu Theban ao visitar na Índia a Fortaleza de Chaul construída pelos portugueses em 1534, situada 56 km a sul de Bombaim,  arrasada pelos maratas em 1739, verificou que na margem sul do rio Kundalika ( frente a Chaul) junto ás ruínas do Morro de Chaul,  existia uma comunidade que tinha como única  língua o crioulo! O provável, é estarmos perante um caso raro ou mesmo único no mundo!!

Especialista em linguista, Theban apurou que este "crioulo" falado na  aldeia piscatória  de Korlai era de origem portuguesa. Isolada há 250 anos, esquecida pelo mundo, Korlai  manteve a língua, a religião católica  e as tradições portuguesas!

Como dissemos, os crioulos no Oriente como línguas intimas, são uma teia de "entendimento". O Kristang de Malaca "entende" o Papiá de Macau!

Em korlai, na missa de Natal as pessoas ao cumprimentarem-se dizem "Bom Fest".  Em Batticaloa no Sri Lanca (Ceilão) ao despedirem-se dizem "Bom Saodi"!      
           
David Jackson ao deparar-se com o texto da canção de Korlai  "Sol já cobriu lume rica", encontrou grande semelhança á canção "Sol, Istrella maas lume" copiada em 1903 por Tavares de Melo em Colombo (Ceilão).

Em 1983 organizado por Lindley Cintra, deu-se em Lisboa um Congresso sobre a "Situação Actual da Língua Portuguesa no Mundo", onde Jerome Rosário falante do crioulo de Korlai a convite do linguista Clancy Clements recitou em crioulo o conto do "Rat su histor".

Em 1987 em Korlai, Helena de Sousa  cantou  "Maldita Maria Madulena, Maldita Firmoza".  

Monsenhor Sebastião Dalgado no seu livro "Influência do Vocabulário Português em Línguas Asiáticas", considera  "o português de Ceilão como o dialecto crioulo por excelência",  provavelmente devido ao predomínio de vocábulos portugueses na língua cingalesa.  

A aldeia de Korlai é caso único. A comunidade da Igreja de Nossa Senhora do Monte Carmelo, única congregação católica no distrito de Kobala  com cerca  de novecentas famílias a falar crioulo como língua única, levou Clancy Clements a afirmar ter havido uma "crioulização" quási  imediata com a chegada  dos portugueses entre 1515 e 1520!

Chaul, conhecida pelos gregos como "Symulla" era uma famosa feitoria comercial no Mar Índico. Hoje, coberta por densa vegetação é arquivo de ruinas e inscrições portuguesas.  



Em 1554 publicou-se em Lisboa a "Cartilha em Lingoa Tamul e Portugues" por Vicente Nazareth; em 1604  em NagasaKi  a "Arte da Lingoa de Japam pelo Jesuíta João Rodrigues " (conhecido no Japão como Tçuzu, o Intérprete); em 1640 em Rachol (Goa) a "Arte da Lingoa Canarim" por Tomás Estevão, etc. David Lopes em 1936 publica "A Expansão da Língua Portuguesa no Oriente nos Séculos XVI, XVII e XVIII".

Gerson da Cunha (1844-1900), nascido em Goa,  historiador e arqueólogo, autor de  a "Contribuição Para o Estudo da Numismática Indo-Portuguesa  confirma  a previsão de João de Barros, acrescentando apenas, que só as moedas resistem à acção do tempo. Quando estas desaparecerem  só restaram as marcas verbais que tanto enriqueceram as línguas do Oriente.

 As moedas indo-portuguesas foram cunhadas manualmente até ao reinado de  D. Luís. Cunharam-se em Goa (1510), Malaca (1511), Cochim  (1530),  Ceilão  (1598),  Baçaim e Damão  (1611),  Chaul  (1646) e Diu (1668).  Hoje raras, são do maior interesse numismático.

Em termos de aventura, a Epopeia Portuguesa é a Comunhão de Portugal com o Mar!  
    
 "Mara nutem fundu minha vida par tira" (O mar não é tão fundo que me tire a vida)                                                     

FMCN, 14 julho de 2013

     

domingo, 21 de julho de 2013

16º Domingo do Tempo Comum

Hoje é domingo, e eu não esqueço a minha condição de católico.

Talvez o evangelho de hoje nos fale do tempo  - não o tempo meteorológico, seguramente, que a forma como o calor vai e vem seria motivo de adivinhação. Talvez nos fale, sobretudo, da importância que o tempo tem para o ser humano, da forma como ocupamos as 24 horas de disponibilidade temporal. E sobre esse tema haveria muito a dizer, que cada um de nós conhece gente boa, quer seja atarefada, lenta, ponderada, mais ou menos activa. 

A relatividade do tempo é um lugar comum por onde não entrarei. Importante é a forma como gerimos o nosso relógio e, acima de tudo, a forma como integramos a existência de Deus na nossa agenda. Em bom rigor, é menos importante a velocidade como exercemos cada tarefa ou, num indicador que me sobra dos meus tempos da indústria, o número de actividades por unidade de tempo.  Há os que não param, há os que param mais. Quem é melhor, passe a expressão redutora? Não sei, mas talvez seja aquele que tudo faz, rápida ou lentamente, com Jesus no coração e o próximo no olhar.

O tempo é um bem finito, que deve ser acarinhado. Acima de tudo, o tempo é um activo que deve ser bem gerido, em nome do nosso equilíbrio e em nome do serviço aos outros. Entre Marta e Maria não há uma disputa sobre o conceito de preguiça, de gente que fica quieta enquanto outros se afadigam nas diversas tarefas. Entre Marta e Maria a importância é a inclusão de Cristo nas vidas de cada uma das duas. E isso faz-se, nos dias de hoje, de forma rápida ou lenta, porque a modernidade tem destas coisas.

Todos conhecemos gente rápida ou gente lenta. Verdadeiramente importante não é a velocidade, mas  que o equilíbrio e a mensagem de Jesus Cristo estejam permanentemente presentes em cada uma das nossas actividades - em casa, no emprego, na igreja, no voluntariado, nas nossas relações afectivas. 

Bom domingo para todos.

JdB

***



EVANGELHO – Lc 10,38-42
Evangelho de Nosso senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo,
Jesus entrou em certa povoação
e uma mulher chamada Marta recebeu-O em sua casa.
Ela tinha uma irmã chamada Maria,
que, sentada aos pés de Jesus,
ouvia a sua palavra.
Entretanto, Marta atarefava-se com muito serviço.
Interveio então e disse:
«Senhor, não Te importas
que minha irmã me deixe sozinha a servir?
Diz-lhe que venha ajudar-me».
O Senhor respondeu-lhe:
«Marta, Marta,
andas inquieta e preocupada com muitas coisas,
quando uma só é necessária.
Maria escolheu a melhor parte,
que não lhe será tirada».

Acerca de mim

Arquivo do blogue