quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Largo da Boa-Hora *

Trinta e um de Dezembro. Estou sentado no meu banco neste Largo feio, lúgubre e sem vivalma. Estou só, não vejo ninguém, está vento e frio.
Entranha-se-me a desolação que me rodeia, mas desato a rir numa gargalhada íntima que me percorre, não por contentamento mas sim por desafio, conquista, prazer, pela minha forma de sentir este frio, este vazio, esta desolação.
O que passo neste transe é o prémio de ser um optimista inveterado, um indomável alegre, um entusiasta militante de todas as causas, um arauto de boas novas e dos bons dias, mesmo sabendo do nefasto que por aí vai e dos dilúvios que se abatem.
Vivo a clamar a vitória do bem sobre o mal, do possível sobre o improvável, a certeza de tudo se compor, o ajuste do desajustado, o reencontro do desencontrado, o retorno do que partiu, a colagem do quebrado, o reerguer do caído.
Espalho, pois, à minha volta, esperanças que dou como certezas, garanto quimeras como factos já vistos, sou, permanentemente, o marinheiro que, na gávea da Nau Catrineta, é constante arauto da “terra à vista”.
Perante cada adversidade, imediata e automaticamente relativizo a sua importância no cômputo geral de toda a vida; no mesmo reflexo contabilizo os danos e prejuízos causados, concluindo não serem letais nem incomportáveis - o perdido é recuperável ou, se o não for, recordo que já houve um antes sem ele que lhe tira a preciosidade - e, por último, empenho-me exclusiva, prioritária e obcecadamente em encontrar a melhor solução, a alternativa, o que faça a vida andar, apesar de tudo.
A relativização dos factos negativos, o desprezo pelos danos aliado à urgência de reparação e prosseguimento, são as dominantes da minha atitude.
Subjacente está uma certeza que é meu guião: a vida, também por culpa própria, tem necessariamente momentos maus, episódios perversos, sofrimento, erros, infelicidades, azares, imbecilidades, imperfeições. Toda esta panóplia de tristeza, amargura, culpa e frustração é inevitável, mas temos de a suportar, enfrentar e resolver, como coisas naturais que são.
Sou como o marinheiro que sabe que a travessia atlântica vai ter borrasca, vaga grossa, alterosa, danosa. Quando a tormenta chegar - e chegará - há que firmar o leme, cerrar a vontade, aproar e passar a vaga, olhando sempre para o mar vindouro, e não gastando mais do que um ápice a concluir que o navio sofreu mas passou, meteu água e perdeu apresto e palamenta mas aguentou-se, adornou perigosamente mas endireitou-se e, portanto, segue a sua rota, na certeza de que haverá calmaria e bonança.
Na navegação que é a minha vida concentro-me no Farol que ilumina a rota que elegi, sigo na esteira da sua luz, o que nos separa é para ser vencido, com maior ou menor dificuldade, angústia, medo ou dor, o que importa é flutuar, navegar e alcançar a fonte dessa luz que marca o porto de abrigo onde ancoraremos em paz, sãos e salvos.
Que se dane o apresto e palamenta perdidos, a carga arrancada, as redes roubadas, o peixe varrido, o desmantelado e todo o mais fruto da fúria do mar. Chegaremos ao Porto de Abrigo.
Não existem naufrágios anunciados, não existem monstros marinhos que nos arrastem para as profundezas, não existem fins do mar que nos lancem em precipícios de trevas, não existem marinheiros marcados como tributo ao desafio de navegar.
Não, a tragédia consome aqueles que fundeiam na tormenta, julgando-se a salvo porque amarrados em inércia e desalento, ou os escondidos atrás de molhes imaginados pelo medo e auto-comiseração, bem como os que desistem de navegar e manobram em fuga dando o costado do navio ás vagas, e ainda os terrificados que abandonam o navio, tomando a balsa só para si e condenando a tripulação a afogamento certo, não esquecendo aqueles que soçobram porque se limitam a carpir e a pedir socorro.
São estes os que o mar reclama e cobra, não os que ousam navegar pela luz do Farol que firmaram.
Navegar é preciso.
Mas, como todo o homem de mar, tenho medo. Sei que há uma vaga que me pode afundar, afogar e perder o meu navio e tripulação.
Essa vaga existe e vagueia pelos oceanos. A minha esperança e fé é que a insuperável nunca se cruze com a minha proa.
É por isso que me rio e gargalho, neste banco e Largo. Desafio o frio, a solidão, a desolação, sei que amanhãs de Sol, companhia e alegria virão, hoje é só mais uma vaga, e esta, convenhamos, das pequenas.
Deste meu banco que é ponte do meu navio antevejo as navegações do ano novo que vai entrar. Tudo vai acontecer: dias de calmaria exasperante em que não andaremos, dias de brisa moderada que nos darão bom e tranquilo aviamento, e as inevitáveis borrascas e tormentas. Estas esperam-me, tanto como eu as espero.
Mas uma coisa é certa: vejo a luz do meu Farol, confio no meu navio, sou marinheiro, tenho a tripulação escolhida, pelo que, se não me cruzar com a intransponível, para o ano aqui estarei neste meu banco, ponte do meu navio, a recordar a travessia de 2009 e, mais uma vez, a rir-me do Adamastor e suas patifarias.
Companha, saudades, são horas de soltar amarras, vamos à faina, todos com coragem e confiança, cada qual com sua embarcação e tripulação, rumo ao Farol de cada um, cuja luz já se vê.

ATM

* publicado inicialmente em 31.12.2008

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Da paz

Fotografia de Sarah Scarborough

Já aqui escrevi sobre isto, estou certo. Mas também estou certo de não me lembrar quando, nem a propósito de quê. Talvez fossem apenas devaneios - como tantos dos meus textos - lidos por um punhado incompleto de fiéis leitores e outro punhado menos incompleto de pessoas que por aqui passam, diária e ingenuamente, à procura de um sobressalto criativo do editor e dono do estabelecimento.  Talvez fossem desejos meus de me ler a mim próprio. Tenho destas coisas na escrita: um misto de gozo e de pedagogia própria. Se eu ler o que escrevi é quase como se fosse outra pessoa a dizê-lo, e as coisas assumem uma relevância diferente. Sempre para melhor, adivinho eu. Até porque me acontece algo de há tempos para cá: desenvolvo um argumento e, a meio do caminho, sinto a necessidade de perguntar: estou a fazer-me entender? Do lado de lá vem quase sempre um sim, e eu, cheio de inseguranças, prefiro ler-lhes sinceridade a compaixão. 

Retomo o raciocínio: falo de paz conquistada. Há quem precise de estar em paz consigo para conquistar a paz externa; há quem precise de paz com os outros para conquistar a paz consigo próprio. Sei o que sou e a minha ordem de precedência na paz interna / externa. Mas não é disso que falo, que os que me lêem - poucos, o que é sinal de discernimento - já deram para esse peditório. A minha dúvida é esta: há alguma coisa que nos diga que uma forma é melhor do que a outra?  Isto é, há regras aconselhadas, teorias elaboradas, versículos bíblicos que nos ensinem a calcorrear o caminho da santidade para o qual temos de escolher este em detrimento daquele?

Acabei esta semana de ler as cartas que Etty Hillesum escreveu do campo onde esteve presa, na Holanda. Talvez a parte mais bonita, e que decora uma parte da contracapa, seja esta: "queria dizer apenas o seguinte: a miséria aqui é realmente terrível e, ainda assim, à noite, quando o dia caiu num abismo atrás de mim, costumo caminhar a paso enérgico ao longo do arame farpado e, nessas alturas, volta a assolar-me o sentimento de que esta vida é algo de glorioso e magnífico e que, um dia, teremos de construir um mundo totalmente novo. E quanto mais delitos e horrores se derem, mais amor e bondade teremos de oferecer em contrapartida, sentimentos que temos de conquistar dentro de nós. Podemos sofrer, mas não podemos sucumbir."

Etty Hillesum embarcaria no comboio da morte em 7 de Setembro de 1943 com os Pais e o irmão. Nenhum sobreviveu. A sua última carta conhecida data desse dia. Há referência a um postal que foi atirado para os carris. Talvez haja aqui a metáfora de uma carta que foi enviada para o mundo, não para um destinatário especial.

Etty partiu em paz. Durante dois anos, as cartas que ela escreve falam de trivialidades, deste ou daquele, mas também falam de miséria, de sofrimento, de morte. Sempre numa referência aos outros, sempre numa enorme compaixão pelo próximo, compaixão que se revelava em actos concretos, não em palavras mais ou menos bonitas. Etty condoeu-se, tratou, chorou - sempre pelos outros. Quando partiu para um destino que ela sabia não ter regresso partiu, repito, em paz. Onde foi ela buscar esta paz? Aos outros, ou os outros foram beneficiários de uma paz que era dela? 

No excerto que cito mais acima, encontro uma possível resposta para uma pergunta - onde começa a paz? - que talvez só a mim interesse. Na frase "... sentimentos que temos de conquistar dentro de nós" talvez esteja tudo...

JdB     

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Duas Últimas

Um dia desta semana, mas há 40 anos exactamente, partia rumo ao Rio de Janeiro. Tinha 17 anos e era a minha maior viagem até então, já que só saíra de avião para ir a Londres - e acompanhado pela família de então. O Rio de Janeiro era, na altura, sinónimo de emigração política. Para lá iam os saneados, perseguidos, ou impossibilitados de se quedarem pelo solo pátrio. Nesta equação não entra a emigração anterior, por motivos económicos, de tantos joaquins e manuéis que viriam a povoar o anedotário brasileiro. 

Anos mais tarde - vinte e muitos - viajei até ao Zimbabwe, onde estive dois meses. Ao contrário do voo para o Rio (primeira classe num Boeing 747) para África voei em lata, porque o turismo em 1975 e em 2008 nada têm a ver um com o outro. O requinte deu lugar à facturação, uma certa elite deu lugar às massas, o low-cost (ou os preços vulgares das viagens) abriram o mundo a toda a gente. A título de exemplo, uma viagem Lisboa - Frankfurt - Hong-Kong e volta custava, em 1979, o equivalente a 600€. Quanto subiu em 36 anos? 

Mas não é de viagens que falo quando associo o Rio de Janeiro a África. Falo de pecado - ou melhor, de ausência de. Falo da liberdade, da sensualidade, da ausência de complexos ou de carnalidade pecaminosa, de uma boa convivência com o corpo. Ver uma africana ou uma brasileira a dançarem é imaginar a angústia dos missionários: não só elas não queriam saber de pecados da carne como devem ter dado a volta a tanta gente que, de olhos postos no corpo alheio, lhes falava de um Deus que castiga a luxúria, expressão que não lhes cabia no léxico.

Estranhamente, Chico Buarque nunca passou pelo estabelecimento. Deixo-vos com uma toada alegre e mexida (é um samba?) cujo título é uma realidade história: não existe pecado ao sul do Equador. Própria para quem faz do reveillon uma noite de eleição e folia. O que não é, decididamente, o meu caso.

JdB

   

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Vai um gin do Peter’s?

A ideia interessante do crowdfunding veio para ficar, enquanto fórmula de sucesso para patrocinar projectos interessantes que, pelas vias tradicionais, não conseguiriam financiamento suficiente. Felizmente que chegou a Portugal e está a reunir um número crescente de adeptos. 

Um dos projectos que hoje anima muitos tem a ver com o Natal, porque envolve a aquisição a um privado da tela da “Adoração dos Magos”, da autoria Mestre Domingos Sequeira (1768-1837). Basta cada português contribuir com 50 cêntimos para o Estado reunir a maquia necessária para garantir que aquela obra de arte continua em solo nacional e de acesso público. 

A iniciativa partiu do MNAA (Museu Nacional de Arte Antiga(1)) que, na última década, nos habituou a um dinamismo e empreendedorismo pouco comuns no mundo da cultura. Muito louvável! De outra forma, seria impossível aquele Museu ter a veleidade de tentar comprar o valioso quadro:  
   
«A Adoração dos Magos», de Domingos António Sequeira, 1828.

Óleo sobre tela, 100 x 140 cm. Coleção particular

Só por si, o tamanho exíguo da colecção de pintura portuguesa torna premente esta compra. Acresce ainda a qualidade da obra em questão, pintada em 1828, num período muito conturbado da vida nacional, em plena guerra civil, conhecida por Guerras Liberais, que se arrastaram de 1828 a 1834, provocando uma segunda devastação, depois das Guerras Napoleónicas. Observa da tela, o MNAA: «Pela prodigiosa modelação das figuras e da luz, e pela estrutura da composição, “A Adoração dos Magos” é, como já em 1837 afirmava um académico romano, um absoluto capolavoro, uma obra-prima. Trata-se de uma obra visionária que evidencia uma marca essencial do estilo do pintor: a sua enorme capacidade de síntese entre o clássico e o romântico.»
 

Zoom sobre a homenagem dos Reis ao Menino


Sobre o pintor, explica o MNAA que: «Domingos António de Sequeira (Lisboa, 1768 - Roma, 1837) consegue, graças à precoce revelação do seu talento, proteção aristocrática e uma bolsa para aperfeiçoar a sua arte em Roma. Privou com os melhores mestres, obtendo prémios académicos. Com duas estadias em Paris, onde é distinguido no Salon de 1824, regressa a Roma, reencontrando o reconhecimento dos seus pares do meio artístico. Aí se dedica à notável série de quatro pinturas religiosas que constituem o zénite da sua carreira e que exprimem a liberdade do seu génio criativo: um extraordinário testamento artístico no qual sobressai “A Adoração dos Magos”.»

Para saber como se pode tornar mecenas, em seu próprio benefício, há informação disponível online, quer sobre o processo, quer sobre a forma de contribuir: (http://sequeira.publico.pt/?nonce=4e3f06a1268fcf48dd88b46631243d41&nonce=e9f7b7729e2ab65df072377a97c45b7c&nonce=a8254723226a037b07a0c47f63c9840f&nonce=a8254723226a037b07a0c47f63c9840f ).

Para um momento de pausa nas Festas, segue o link para um artigo extraordinário de António Araújo, intitulado «MISTÉRIOS DA NATIVIDADE»(2)
 (http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/misterios-da-natividade-1717123) 

Continuação de BOAS-FESTAS  e FELIZ ANO NOVO,

Maria Zarco
(a  preparar o próximo gin tónico, para daqui a 2 semanas)
_____________
 (1)  Portal do MNAA: http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/vamos-por-o-sequeira-no-lugar-certo.
 (2)  Do PÚBLICO de 13 de Dezembro de 2015.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Festa da Sagrada Família

EVANGELHO – Lc 2,41-52

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém,
pela festa da Páscoa.
Quando Ele fez doze anos,
subiram até lá, como era costume nessa festa.
Quando eles regressavam, passados os dias festivos,
o Menino Jesus ficou em Jerusalém,
sem que seus pais o soubessem.
Julgando que Ele vinha na caravana,
fizeram um dia de viagem
e começaram a procurá-l’O entre os parentes e conhecidos.
Não O encontrando,
voltaram a Jerusalém, à sua procura.
Passados três dias,
encontraram-n’O no templo, 
sentado no meio dos doutores,
a ouvi-los e a fazer-lhes perguntas.
Todos aqueles que O ouviam
estavam surpreendidos com a sua inteligência e as suas respostas.
Quando viram Jesus, seus pais ficaram admirados;
e sua Mãe disse-Lhe:
«Filho, porque procedeste assim connosco?
Teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura».
Jesus respondeu-lhes:
«Porque Me procuráveis?
Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?»
Mas eles não entenderam as palavras que Jesus lhes disse.
Jesus desceu então com eles para Nazaré
e era-lhes submisso.
Sua Mãe guardava todos estes acontecimentos em seu coração.
E Jesus ia crescendo em sabedoria, em estatura e em graça,
diante de Deus e dos homens.

sábado, 26 de dezembro de 2015

Pensamentos impensados

Gadgets
O inventor do telefone olhou espantado para o aparelho que tinha acabado de construir e pensou: para que serve esta geringonça? Até que percebeu que era preciso outro aparelho.

Homenagem
O Sporting terá passadeira vermelha?

Vaidades
Espelho meu, espelho meu, diz-me se há alguma cidade com mais bancos falidos do que eu.

Chamem a ASAE
O ano bissexto só tem um ano de garantia, não dois como manda a lei.

Anexins estúpidos
Água dura em pedra mole
Desinfecta com álcool.

Liga dura de roer
Mourinho já ganhou muitas ligas mas, por muito que se esforce, nunca ganhará a liga da Ordem da Jarreteira.

Misters
O futebol tem treinadores de bancada.
O boxe tem treinadores de pancada.

Homens de amanhã
Alguns homens serão as mulheres de amanhã.

SdB (I)

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Missa do dia do Natal do Senhor

EVANGELHO – Jo 1,1-18

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

No princípio era o Verbo
e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus.
No princípio, Ele estava com Deus.
Tudo se fez por meio d’Ele
e sem Ele nada foi feito.
N’Ele estava a vida
e a vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a receberam.
Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João.
Veio como testemunha,
para dar testemunho da luz,
a fim de que todos acreditassem por meio dele.
Ele não era a luz,
mas veio para dar testemunho da luz.
O Verbo era a luz verdadeira,
que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem.
Estava no mundo,
e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu.
Veio para o que era seu
e os seus não O receberam.
Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome,
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
Estes não nasceram do sangue,
nem da vontade da carne, nem da vontade do homem,
mas de Deus.
E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
Nós vimos a sua glória,
glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito,
cheio de graça e de verdade.
João dá testemunho d’Ele, exclamando:
«É deste que eu dizia:
‘O que vem depois de mim passou à minha frente,
porque existia antes de mim’».
Na verdade, foi da sua plenitude que todos nós recebemos
graça sobre graça.
Porque, se a Lei foi dada por meio de Moisés,
a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo.
A Deus, nunca ninguém O viu.
O Filho Unigénito, que está no seio do Pai,
é que O deu a conhecer.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Natal

Pensamentos Impensados deseja aos seus leitores um Santo Natal, e que o Menino Jesus nos ilumine e nos proteja.

SdB (I)

Natal

O editor e dono do estabelecimento deseja a todos os visitantes deste espaço - e em particular aos que contribuem regularmente com belíssimos textos - um Santo Natal. Que saibamos embalar o Menino Jesus dentro de nós, para que depois seja ele a embalar-nos.

JdB



Ladainha dos Póstumos Natais

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

David Mourão-Ferreira, in 'Cancioneiro de Natal'

***

Litania do Natal

A noite fora longa, escura, fria.
Ai noites de Natal que dáveis luz,
Que sombra dessa luz nos alumia?
Vim a mim dum mau sono, e disse: «Meu Jesus...»
Sem bem saber, sequer, porque o dizia.

E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!»

Na cama em que jazia,
De joelhos me pus
E as mãos erguia.
Comigo repetia: «Meu Jesus...»
Que então me recordei do santo dia.

E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!»

Ai dias de Natal a transbordar de luz,
Onde a vossa alegria?
Todo o dia eu gemia: «Meu Jesus...»
E a tarde descaiu, lenta e sombria.

E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!»

De novo a noite, longa, escura, fria,
Sobre a terra caiu, como um capuz
Que a engolia.
Deitando-me de novo, eu disse: «Meu Jesus...»

E assim, mais uma vez, Jesus nascia.

José Régio, in 'Antologia Poética'

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Duas Últimas

Para finalizar 2015 deixo-vos com 2 músicas do colectivo formado há pouco mais de um ano por Celina da Piedade, João Gil, Jorge Palma, Tim, Vitorino, Paulo Ribeiro, Sebastião Santos e Jorge Serafim, que dá pelo nome de “Tais Quais”.

Violas, acordeão, percussão, viola campaniça e um magnifico conjunto de vozes juntas em prol da divulgação de algumas canções emblemáticas da música popular alentejana.

O grupo apresentou com assinalável sucesso o espectáculo Na Venda do Isaías, “local de partida e chegada de muitas histórias e anedotas enriquecidas com o característico sentido de humor alentejano”, como li algures a seu respeito, em que Jorge Serafim desempenha um papel central, enquanto contador de histórias e humorista.

Espero que apreciem a escolha.

fq



terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Textos para os dias que correm

Para além do Pai Natal, reaprendamos a arte do dom

Quando as crianças se dão conta - e dão-se conta muito depressa - que o Pai Natal não existe, falam disso entre elas, mas diante dos adultos fingem que não o sabem ainda durante algum tempo, porque percebem que isso lhes dá prazer. O Pai Natal é uma crença extremamente efémera que se torna numa representação cultural ou familiar tácita, apenas isso. Não admira que muitos se interroguem sobre a razão da persistência da sua figura quando, grandes ou pequenos, muito poucos acreditam verdadeiramente nela. O Pai Natal seria então uma imposição meramente comercial, um ícone vazio, um símbolo gasto e esgotado que não tem nada mais a dizer? Provavelmente sim, se pensarmos na banalização massiva que assistimos ano após ano.

Em todo o caso, vale a pena sondar esta estranheza que faz com que os pais continuem a atribuir a uma outra entidade - uma entidade gráfica e pitoresca como o Pai Natal - os dons que eles mesmos compram para os próprios filhos. Seria lógico pensar que faria mais sentido que o presente fosse ligado ao seu rosto, um tosto bem conhecido, que transmite confiança e afeto, um rosto que reforça o contexto habitual da criança. O dom é, em vez disso, atribuído a uma entidade anónima, desconhecida, que aparece anualmente e de modo fugaz, sem uma relação personalizada com aqueles que oferecem os dons. Mas é precisamente este fato que nos induz a refletir sobre aquilo que se ativa no ato de dar e de receber. Que significa dar? Quem é o agente do dom? De quem recebemos aquilo que nos é dado? É aqui que se decide o sentido submerso do Pai Natal.

Sublinhemos, antes de mais, que o Pai Natal não deixa de ser um pai. O, melhor, o pai de um pai, um avô, se tivermos em consideração a sua idade, a sua barba branca, o seu humor tilintante e redondo, a sua bondade um pouco extravagante. Trata-se, no fundo, de um predecessor, de alguém que não representa apenas o instante atual mas quanto nos é transmitido de geração em geração, aquilo que os nossos pais nos dão porque o receberam antes dos seus pais e assim por diante.

O Pai Natal alarga os restritos metros quadrados da família contemporânea e estende os laços, testemunhando também tudo aquilo que se recebe dos outros, e não só dos pais, não só daqueles que constituem o quadro normal da vida. Deste modo, ele une cada criança a todas as crianças do mundo na expectativa e no entusiasmo pelo dom, sem o qual a vida nada seria. O dom, não o esqueçamos, é muito diferente do circuito frio, tão sonâmbulo e voraz, da troca e do comércio, mesmo se hoje parece totalmente sequestrado por essas lógicas.

O que é que de mais precioso podemos dar aos outros que a nossa atenção criativa, o nosso cuidado, o nosso tempo, a nossa fidelidade ao que cada um, em cada instante, é? O dom gera dom, mas não no sentido da gramática mercantil que procura o proveito próprio mais do que a experiência autêntica da oferta de um presente.

O citadíssimo "do ut des" (dou-te para que me dês) é um mote que trai a beleza do dom, o qual pode ser unicamente uma expressão de amor sem cálculo nem medida. Por isso é urgente resistir à pressão comercial que enche o saco do Pai Natal de coisas, coisas e mais coisas, que têm o único efeito de neutralizar a relação, de perpetuar de modo camuflado a indiferença e a distância, em vez de construir uma presença calorosa, disponível, confiante na nossa humanidade diante da humanidade dos outros.

Por isso, quando nós, adultos, nos sentamos junto às crianças, mesmo àquelas que ainda não sabem escrever, para as ajudar a redigir a sua cartinha ao Pai Natal, é importante que tenhamos bem claro dentro de nós a oportunidade e o sentido que naquele momento estão em jogo. Precisamos de reaprender a arte do dom.

José Tolentino Mendonça
In "Avvenire", tirado daqui

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Do sossego absoluto

Fotografia de Henri Cartier-Bresson

Philip Mechanicus, jornalista, esteve preso no campo holandês de Westerbork. Etty Hillesum [Cartas, 1941-1943, Assírio e Alvim] numa carta escrita entre 5 e 9 de Julho de 1943, cita-o bem, porque ouviu da boca dele: se sobreviver a estes tempos, sairei deles como alguém mais maduro e mais profundo, e se morrer morrerei como alguém mais maduro e mais profundo. Não seria nesse dia que Mechanicus embarcaria no comboio com destino à morte, iminência que lhe suscitou a frase. Morreria em Auschwitz, em 1944. 

A frase suscitou-me um pensamento imediato e, por isso, mais intuído. O jornalista holandês confronta-se com uma espécie de momento perfeito na sua vida: aquela fracção de tempo - um segundo ou um dia inteiro - em que viver ou morrer representam o mesmo; isto é, a soma de todos os olhares sobre a vida ou sobre a morte é zero, não porque se anulam, mas porque tendem para infinito, lugar geométrico do sossego absoluto. 

Naquele preciso instante, Mechanicus estava pronto para sobreviver, como estava pronto para morrer. Não havia pontas soltas na sua vida - pazes por fazer, contas por ajustar, palavras por dizer ou feridas por sarar. Tudo na sua existência estava acertado e, de frente para o Deus em que acreditaria, pôde dizer-lhe: é o que Tu quiseres; estou pronto. Disse-o de alma tranquila, apesar de toda a angústia de que se revestiam aquelas viagens de comboio rumo a uma Polónia para onde os bilhetes eram só de ida.  

Saber que, morrendo ou vivendo, se é o mesmo homem, é ter a certeza de um equilíbrio interior a que todos podemos aspirar, mas a que nem todos conseguimos ascender: porque partimos cedo demais, porque sofremos demais, porque perdemos a dignidade de uma vida totalmente autónoma, porque nos sentimos peso desconfortável para os que ficam, porque a morte (ou o momento antes dela) nos suscitam medo, ou ainda porque há tanto por fazer. Olhar com os mesmos olhos a morte ou a vida é poder pairar no ar sem medo da gravidade terrena; é estar face a face, no momento zero, com o passado e com o futuro, segurando ambos na mesma mão aberta para o destino. 

Viver ou morrer só é igual para os indiferentes ou para os bafejados por um sopro divino. Porque olhar nos olhos do que foi e do que há-de vir é poder abraçar Deus, senti-Lo fisicamente, seja na forma de um anjo, de um sentido para a vida, de um sorriso de plenitude. E quando o sentimos, estamos prontos.

Se sobreviver a estes tempos, sairei deles como alguém mais maduro e mais profundo, e se morrer morrerei como alguém mais maduro e mais profundo.   

JdB

domingo, 20 de dezembro de 2015

IV Domingo do Tempo do Advento

EVANGELHO – Lc 1,39-47

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naqueles dias,
Maria pôs-se a caminho
e dirigiu-se apressadamente para a montanha,
em direcção a uma cidade de Judá.
Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel.
Quando Isabel ouviu a saudação de Maria,
o menino exultou-lhe no seio.
Isabel ficou cheia do Espírito Santo
e exclamou em alta voz:
«Bendita és tu entre as mulheres
e bendito é o fruto do teu ventre.
Donde me é dado
que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor?
Na verdade, logo que chegou aos meus ouvidos
a voz da tua saudação,
o menino exultou de alegria no meu seio.
Bem-aventurada aquela que acreditou
no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito
da parte do Senhor».

sábado, 19 de dezembro de 2015

Pensamentos Impensados

À venda na Livraria Férin


Ouvido por aí
Oiço uma cantiga brasileira e fixo esta frase deliciosa:
Você é linda, mais que demais.

Etiquetas
Este Natal, Maria Cavaco Silva vai oferecer ao seu marido o livro Sem Maneiras de Comer Bolo-Rei.

Num congresso nos EUA
Who is that lady?
The lady is a Trump.

Humanidades
Ricardo Salgado é humano, não robot...

Cinema
Ao Star Wars, prefiro uma boa fricção científica.

Cobras
Os encantadores de serpentes pertencem ao Sindicato das Artes e Ofídios.

Turismo
Foste a Madrid? Foste operado?
Não, fui ao Museu Reina Sofia.

Apostas mútuas
Sempre que fui a aumentos de capital do BCP, o meu capital diminuiu.

SdB (I)


sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Dos pecadilhos

Fotografia de Alfred Eisenstaed

Já ouvi a história há alguns anos, pelo que não afianço a veracidade de nada. Kafka (?) terá estado, no fim da vida, impedido de falar, pelo que se socorria de um caderninho onde escrevia as respostas àquilo que lhe perguntavam. E o desafio, segundo este entrevistado, era imaginar o que teriam perguntado ao escritor para ele ter respondido de uma determinada forma. Folheio um caderninho onde assento frases, ideias, textos de livros que me passam pelas mãos. E leio: saber os nossos pecadilhos é uma virtude. Não sei onde li a frase, se fui eu que a pensei, se a transcrevi de forma correcta. Nem sequer estou certo de a interpretar bem.

Com excepção da confissão religiosa, onde o carácter sigiloso e tantas vezes informal facilita a revelação, temos alguma dificuldade em reconhecer os nossos pecadilhos, palavra que gosto de usar em sentido amplo: as nossas inseguranças, os nossos defeitos, as nossas adições, as nossas falhas mais graves, os nossos buracos negros que aspiram a energia luminosa que nos é oferecida todos os dias, tal como a santidade do Retrato de Mónica. Fugimos desta exposição porque tudo na vida nos impele à defesa e protecção da imagem que derivam, não de um pudor saudável, mas de uma ideia errada de força que é preciso exibir - ou fingir que se tem. 

Quem sabe os meus pecadilhos? Os meus mais próximos, aqueles em quem mais confio para me ouvirem e para me ensinarem. Olho para as minhas amizades mais antigas, algumas com 40 anos ou mais; olho para outras mais recentes, mas igualmente partilhadas e militadas. Uns sabem os meus pecadilhos porque são amigos muito próximos, outros tornaram-se amigos muito próximos porque ouviram os meus pecadilhos. Significa isto que ouvir pecadilhos pode ser um ponto de chegada ou um ponto de partida. 

Acima de tudo imagino a virtude que está por trás do facto de alguém saber os nossos pecadilhos. No fundo, é como convidar alguém para nossa casa e mostrar-lhe os lugares mais recônditos, aqueles lugares onde se chega por intimidade ou indiscrição. Revelar um pecadilho não é um exibicionismo de uma tara para gáudio dos presentes, como a mulher com três pernas ou o homem que sai de um canhão. É a constatação da normalidade, algo a que me aferro com pundonor excessivo.   

JdB 

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Poemas dos dias que correm

Fotografia de Alfredo Cunha (tirada da net)


Nas fronteiras deste Mundo

Deus nas fronteiras deste mundo,
Deus que cruzamos como as sombras,
dá-nos um corpo de desejo
e um ouvido de começo,
fica connosco Deus que passas
e nossas mãos te larguem,
Deus confundido com a sede,
e as palavras que dizemos,
vem alterar o nossos corpo,
vem confundir a nossa fome,
Deus da palavra,
flor do vento,
manhã que vem em Jesus Cristo.

Dê-te prazer o nosso canto,
Deus das manhãs azuis e rosa,
que o nosso corpo te anuncie qual fonte,
rio ou chaga aberta,
que nossas mãos persigam o teu passar escondido.

Deus invisível para os olhos,
palavra solta, luz que passa,
é neste tempo que dizemos o claro escuro do teu nome,
onde é secreta a tua face e o teu passar adivinhado.

(Frei José Augusto Mourão)

***

O silêncio (segundo Angelus Silesius)

Deus ultrapassa tudo
nada se pode dizer
a tua oração seja
a prece do silêncio

Cala-te, cala-te, dileto
aprende ainda a calar
A prodigalidade de Deus
só a alcança
a prece do teu silêncio

Ninguém fala menos do que Deus
em nenhum tempo, em nenhum lugar
A Palavra que Deus pronuncia
é silêncio

(Pe. Tolentino Mendonça)



quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Do Natal

Georges de la Tour, ca 1644


Já uma vez aqui escrevi sobre o tema e a passagem por um blogue que falava disto suscitou-me a revisita.

Não sou o único a queixar-me da confusão do Natal. Há uma ideia generalizada, na minha geração, que o Natal é cansativo, perdeu o espírito, é um calcorrear ininterrupto de quilómetros e de auto-estradas, uma confusão logística e organizacional porque há as famílias novas, as famílias reconstruídas, as famílias dos cônjuges, a gestão de onde se almoça, onde se janta, a que missa já não há tempo para ir. No limite, subsiste em cada um destes queixosos uma frase dramática: quem me dera passar directamente de 24 para 26. A acrescer a esta angústia mais ou menos injustificada, há as saudades de quem partiu, as agruras da vida profissional, os abandonos, os projectos interrompidos ou perdidos, a adaptação difícil a novas realidades, a pouca flexibilidade que provoca úlceras nervosas.

Nas mentes de muitos haverá uma estranha (digo eu, contra mim próprio...) nostalgia de outros natais. Tenho quase 58 anos. O que mudou na época ao longo destes últimos 50 anos? Perdeu-se uma ideia de despojamento? O Natal de hoje em dia é mais consumista do que era quando eu tinha oito anos e no qual já se trocavam presentes? O espírito natalício perdeu-se? Se sim, porquê e quando? O que havia há 50 anos que não há agora? Ou o que há agora que torna esta festa tão complicada?

Sei bem o que mudou no meu Natal de há 14 anos para cá. Mas também sei que nem todas as perdas, as mudanças mais ou menos radicais, as adaptações mais ou menos complicadas, justificam a ideia de querer saltar uma época. Há-de haver mais qualquer coisa. Talvez a solução não esteja tanto no despojamento, mas na simplicidade. Mas não tenho a certeza de nada, até porque preciso de perceber a diferença entre ambas.

JdB     

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Duas Últimas

Dos dicionários: Pavana: antiga dança espanhola, de movimentos pausados e graves.

Há um jogo de salão em que alguém faz perguntas sobre outro alguém: se fosse um animal o que era? Se fosse uma cor o que era? Se fosse uma música / género musical, o que era? O objectivo é identificar a pessoa em questão através das respostas. 

Há uma certa confusão - natural, seguramente - entre o que somos enquanto género musical e a música de que gostamos. Se perguntarem a meu respeito o que sou enquanto género musical, quem me conhece bem arrisca o fado ou o requiem. Talvez o digam porque sou apreciador de ambos os géneros musicais. Significa isso que sou aquilo de que o fado fala? A miséria, a desgraça, o destino, o ciúme, a traição, a saudade? Significa isso que sou triste, com uma ligação muito profunda aos mortos?

O que sou eu, enquanto género musical? Talvez nem eu próprio saiba exactamente. Há alturas em que sou fado, há alturas em que sou requiem, como há alturas em que sou um Te Deum, um slow ou algo mais agitado da minha juventude. Ou serei um tango, naquela dolência sensual que nem sequer terei. Ninguém sabe quantos tem dentro de si.

Hoje sou uma pavana.

JdB



segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Pensamento impensado

Seriam cartas de jogar?
Ricardo Salgado, sem dinheiro, foi libertado graças a ter cantado a sua versão do Fado Marialva.

"Portugal desde menino
Foi cavaleiro e campino 
Deu cartas como caução..."

SdB (I)

Vai um gin do Peter's?

Na semana passada, o grande Museu do Prado resolveu oferecer ao público – em jeito de presente de Natal, diria –  o pleno (e facílimo) acesso ao seu extraordinário acervo, a partir de qualquer ponto do globo, que pode ser o sofá de casa. 

Trata-se de um novo site – https://www.museodelprado.es  –  que permite descobrir as 4.900 telas da colecção permanente, assim como ver as das exposições temporárias. Os tesouros do museu de Madrid tornaram-se acessíveis a quem tenha ligação à net, com Goya, Velazquez, Botticelli, Tintoreto, Tiziano, Rafael, Bosch e tantos outros génios da Arte Ocidental só à espera da nossa visita: 



O site também dá informação técnica sobre as obras, dispõe de vídeos com explicações mais detalhadas  e sugere 9 circuitos temáticos: Reino animal, Amores profanos, Sonhos da razão, Tempo de fábulas - mitos e deuses, Fashion Night, Superproduções, Um conto de fadas, Zona VIP e Festas e banquetes que não podes perder (tradução directa do original em castelhano). 

Há também a possibilidade de personalizar itinerários, segundo o gosto de cada um, através da opção Meu Prado (Mi Prado) (1). Por aqui, acede-se ao fundo musical que pode acompanhar a visita aos 9 circuitos temáticos, com repertório seleccionado pela Rádio 3 espanhola, audível através de Spotify. 

Com a aproximação das Festas Natalícias, este gin de aperitivo ao Prado inclui um par de sugestões imperdíveis ou, melhor dito, à espanhola: que não pode mesmo deixar de explorar online: 



“Adoração dos Pastores”, Murillo, Prado 

A mais especial (creio) fica para o fim, assinada por Peter Paul Rubens:  



E isto é só um aperitivo. Um presente destes, que tira tanto partido das vantagens das tecnologias de informação, era impossível não partilhar! Só não dá para embrulhar e pôr junto à árvore e ao Presépio. Ainda assim, ajuda a reforçar os votos de Boas-Festas a todos! 

Maria Zarco
(a  preparar o próximo gin tónico, para daqui a 2 semanas)
_____________


domingo, 13 de dezembro de 2015

3º Domingo do Tempo do Advento

EVANGELHO – Lc 3,10-18

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo,
as multidões perguntavam a João Baptista:
«Que devemos fazer?»
Ele respondia-lhes:
«Quem tiver duas túnicas reparta com quem não tem nenhuma;
e quem tiver mantimentos faça o mesmo».
Vieram também alguns publicanos para serem baptizados
e disseram:
«Mestre, que devemos fazer?»
João respondeu-lhes:
«Não exijais nada além do que vos foi prescrito».
Perguntavam-lhe também os soldados:
«E nós, que devemos fazer?»
Ele respondeu-lhes:
«Não pratiqueis violência com ninguém
nem denuncieis injustamente;
e contentai-vos com o vosso soldo».

Como o povo estava na expectativa
e todos pensavam em seus corações
se João não seria o Messias,
ele tomou a palavra e disse a todos:
«Eu baptizo-vos com água,
mas está a chegar quem é mais forte do que eu,
e eu não sou digno de desatar as correias das suas sandálias.
Ele baptizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo.
Tem na mão a pá para limpar a sua eira
e recolherá o trigo no seu celeiro;
a palha, porém, queimá-la-á num fogo que não se apaga».
Assim, com estas e muitas outras exortações,
João anunciava ao povo a Boa Nova».

sábado, 12 de dezembro de 2015

Pensamentos impensados

À venda na livraria Ferin


Apetites
Ambrósio, apetecia-me beber álcool.
Compreendo, senhora, quer álcool puro ou desnaturado?

Dieta
Os guarda-redes devem abster-se de comer frangos.

Descontos
Nas declarações em que há uma rubrica "pessoas a cargo" posso incluir os deputados?

Justiça
Dose e meia dose são medidas de colação.

Lá vai o Ziê
Na Assembleia da República nada se perde nem nada se cria, tudo se desinforma.

Músicas
Quando era precisa uma violoncelista, a Guilhermina surgia.

Primazias
A mulher de Cavaco Silva, por alcunha primeira dama, nunca foi a Itália para não lhe chamarem prima donna.

Sem fim à vista
O Mundo só acaba quando os políticos cumprirem o prometido. Deus dá sempre oportunidades.

SdB (I)

Acerca de mim

Arquivo do blogue