quinta-feira, 31 de julho de 2014

Efemérides dos dias que correm

Publiquei as fotografias e o texto abaixo no dia 31 de Julho de 2008, poucos dias antes de embarcar para o Zimbabwe. Efemérides...





***

Tinha, como resquícios de outros tempos da fidalguia, uma ementa de um jantar a bordo do iate Amélia desenhada, autografada e dedicada pelo Rei D. Carlos. Estava numa mesa bonita, inglesa, emoldurada ao lado de fotografias do seu pai, da sua mãe, dos seus irmãos, de braço dado ou em alegre convívio com a realeza exilada no Estoril e Cascais. Habituara-se em nova a jogos de ténis, lanches em clubes elitistas, noites dançantes ao som de orquestras do brilho e da glória e por baixo de um manto de estrelas que só o poder do dinheiro e do nome podiam garantir. Casara mas não tivera filhos, vindo a separar-se anos mais tarde numa altura em que o divórcio, não sendo currículum, já não era cadastro.

Encontrara aquele que viria a ser o seu segundo marido há meia dúzia de anos, numa missa de 7º dia onde se perfilava uma fatia grande do PIB nacional e 80% dos sócios dos clubes lisboetas mais selectos. Antigo empresário, homem do seu nível social, com ele partilhara boleros e valsas inglesas, taças de champanhe e partidas de ténis na variante pares mistos onde ele evidenciara um serviço potente e um jogo quase imbatível ao fundo do court. Agora, alquebrado, com problemas nas costas, mantém a sanidade física possível num gingar de desacerto esquelético.

Criaram ambos a rotina do paredão matinal: ela de carteira a tiracolo, como se transportasse as jóias que lhe restam numa louis vuitton bem imitada, porque a ladroagem na vila está por demais. Ele no seu desacerto constante, ombro para cá e para lá, braço descompassado da perna oposta, uma coluna desesperada a aguentar partes que parecem querer soltar-se.

O "filme", infelizmente, está desbotado - se não de miséria, pelo menos de desilusão. Ele joga todas as noites, tentando simular ao poker o bluff que não conseguiu nas negociações com os sindicatos. Perde mais do que ganha porque a trinca não entra, a sequência máxima é muito difícil, o full hand está no domínio das hipóteses irreais. Vai buscá-la todos os dias de carro a Atibá, onde o elemento final de uma família que privou com condes e marqueses e soletrou nomes difíceis de pronunciar (porque semi-estrangeiros com letras dobradas), é dama de companhia de uma idosa, com momentos cada vez mais improváveis de lucidez e noites agitadas que arruinam os desejos de descanso nocturno. Por volta das quatro da manhã, com uma pontualidade que enerva, há um encontro inesperado na mente da anciã acamada: o fulgor e a confusão, a memória e o olvido. Nunca se saberá quem vence a contenda que se verbaliza numa monólogo a quatro frases:

Conheci muito bem a sua avozinha, devia eu ter uns doze ou treze anos. Cabia-me lavar as casas de banho todas - e olhe que eram muitas. Acho que a minha fralda está suja. Importa-se de a mudar?

Cruzo-me com eles todos os dias, conheço-lhes a história como ninguém. Ele traz no olhar o encavanço das cinco da manhã que o atirou, falido, para um sofá e uma água fresca sem gás. Ela traz a carteira a tiracolo, bem junta ao peito, porque o malandrice está como nunca se viu.

JdB

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Diário de uma astróloga – [83] – 30 de Julho de 2014



Curiosidades da Astrocartografia Ainda a Copa do Mundo e a Ucrânia

A astrologia mundana é o estudo do impacto dos movimentos planetários em acontecimentos globais, mundiais ou colectivos. Para esse estudo usam-se sobretudo os horóscopos das nações, as cartas dos solstícios e equinócios, dos eclipses e da Lua Nova e Lua Cheia.

A base da astrologia pessoal é a carta do céu elaborada para o momento e local de nascimento. Os horóscopos das nações são, na maioria dos casos, muito especulativos, porque é difícil identificar o momento exacto do nascimento de um estado soberano. As cartas dos solstícios e equinócios, também chamadas cartas de ingresso (pois são delineadas para o momento em que o Sol “ingressa” nos signos cardinais, Carneiro, Caranguejo, Balança e Capricórnio), são muito precisas, assim como as dos eclipses e as das lunações.  

Com base nestas cartas pode-se aplicar a técnica da astrocartografia que revela em que ponto do globo certas energias são mais fortes e, consequentemente, mais presentes aos olhos do mundo sob a forma de notícias e acontecimentos.

O Brasil e a Copa do Mundo

A Copa ou, como dizemos em Portugal, o Mundial de Futebol, deu um enorme destaque ao Brasil. Para vermos quais as energias predominantes olhamos para a astrocartografia do ingresso anterior ao início dos jogos, isto é, a carta do momento em que o Sol entra no signo de Carneiro, a 20 de Março de 2014, às 16:54 GMT.

As linhas energéticas que se cruzam um pouco a sul do Rio de Janeiro são:
·       Júpiter no Ascendente em oposição a Plutão no Descendente, o que simboliza grande expansão à custa da dívida pública.
·       Em complemento, temos Marte no fundo do céu que é traduzido por manifestações e violência em oposição ao Governo
Efectivamente antes de começaram os jogos  foram os grandes temas associados às notícias dos acontecimentos no Brasil.


A Final

A astrologia mundana e a astrocartografia teriam alguma coisa a dizer sobre a final da Copa?
A final realizou-se no dia 13 de Julho entre as equipas nacionais da Argentina e da Alemanha. No dia anterior, às 11:25 GMT houve uma Lua Cheia. A astrocartografia da lunação é reveladora do poder desta técnica astrológica.



Na Argentina, temos em evidência o Sol no Ascendente, o que representa o prémio, o orgulho nacional. Mas, a cruzar-se com a linha do Sol e passando muito perto da capital, Buenos Aires, temos Saturno, a energia da dificuldade, dos obstáculos. Com Júpiter (a energia contrária à de Saturno) por perto haveria razões para pensar que os obstáculos poderiam ser ultrapassados. Mas, mais a sul, ainda em território da Argentina, temos Plutão (o destruidor) no Descendente, isto é, no ponto da carta que significa o adversário.
Olhando agora para a mesma lunação na Alemanha, temos um cenário bem mais positivo. A linha do Sol, a Copa, no meio do céu, no ponto mais elevado, de maior poder a nível mundial. Esta competição é a World Cup. A linha da Lua, que representa as emoções colectivas dos alemães, está no ponto mais forte. A linha de Úrano no Descendente mostra um adversário que é imprevisível, pode surpreender mas também se pode revelar inconstante na sua prestação.
Sabemos como acabou …

Ucrânia

E agora um dos pontos quentes do globo?  Já o era, mas o recente incidente com o voo da Malaysian Airlines agudizou-o. Usando a carta de ingresso do Sol em Caranguejo, de 21 de Junho passado, às 10:51 GMT, temos Plutão no fundo do céu a passar junto à capital, Kiev, simbolizando a destruição em território nacional. Mesmo em cima de Donetsk, local onde o avião foi abatido, está a linha de Marte no Ascendente que representa “eu agrido”. Muito perto está a energia de Úrano. A combinação destes dois planetas significa violência irreflectida ou acidentes causados por acções precipitadas. Independentemente de quem lançou o míssil, esta combinação diz tudo. Passageiros e tripulação do voo MH 17 descansem em paz.


É possível usar a astrocartografia como única técnica de previsão em astrologia mundana? Não creio. A astrologia é demasiado complexa, mas cada vez que progrido nos meus estudos astrocartográficos encontro um eco positivo e no meu trabalho utilizo-a frequentemente.  E, como sempre, encontro também mais perguntas do que respostas.

Luiza Azancot

terça-feira, 29 de julho de 2014

Duas Últimas

Domingo jantei com um amigo caçador. Diz-me, e eu acredito, que gosta muito de animais. Tem uma cadela à qual se afeiçoou e que, no fim previsível da sua vida (do bicho...), trata com um desvelo inexcedível. Não obstante, quase todos os anos vai a África à caça grossa. Mata búfalos e animais quejandos, vê-os a serem esventrados (não sei se a expressão é esta) quando o tiro não atinge os pontos vitais certos. 

Eu sou relativamente piegas com o sofrimento dos animais. Nunca cacei, nunca matei um animal com um tamanho superior ao de um rato pequeno. Não obstante, gosto de corridas de touros e, se o animal demora a morrer, cambaleia golfando sangue ou tem que ser descabellado, não viro a cara, tomando atenção a tudo sem o menor sentimento de angústia, pena ou incómodo. 

Sábado fui a um casamento. A seguir ao jantar - óptimo por sinal - dançou-se longamente, o que é hábito nestas festas hoje em dia. Terminado o irritante Danúbio Azul com que noivos e pais abrem o baile, uma mole de gente atira-se à pista a pular e a gritar, a agitar freneticamente os braços e, nalguns casos mais preocupantes, o corpo todo, invadindo espaços alheios que não estão definidos. São dezenas de pessoas a cantar uma música cuja letra nem sempre percebem integralmente - talvez mesmo palavras cujo significado não descortinam. Mas, apesar dessa aparente incompreensão, cantam, seguem coreografias, olham uns para os outros, afastam-se e aproximam-se, provocam ou atravessam corpos com olhares vidrados de alegria como se quisessem soltar o diabo do corpo, como se a catarse dos dias difíceis se fizesse ali, ao som das Doce ou dos Village People. 

Chegado a este ponto do post, haverá quem se questione o que têm em comum a caça, os toiros e a dança dos tempos modernos. Domingo, em conversa sobre o tema da caça e das corridas com o meu amigo caçador, falávamos de uma certa ancestralidade bárbara que existe dentro de nós - dos tempos, seguramente, em que o homem da caverna caçava para sobreviver -  que, não obstante as festas que fazemos aos animais que nos estão mais próximos, nos deixa relativamente indiferentes ao sofrimento de outras bestas. Conseguimos encontrar na dança um paralelismo, ainda que muito remoto? A forma como dançamos hoje em dia revela também uma certa ancestralidade de milhares de anos? Haverá qualquer coisa antiga, muito antiga, mesmo, no mais fundo de nós que nos faz papaguear palavras, frases, gritar com um ar de satisfação alucinada para, com isso, atingir um êxtase de felicidade?

Deixo-vos com música que arrebata multidões, mesmo que no remanso do lar as consideremos menores.

JdB





segunda-feira, 28 de julho de 2014

Dos olhos cansados ou não




Dos que têm uma visão pessimista da vida e dos que têm uma visão optimista da mesma vida não os separa apenas a forma de olhar, o entendimento que fazem dos mesmos factos, o modo como vislumbram o futuro e tiram, do que vêem, conclusões, ideias, angústias ou alívios. Não há garantia, ainda assim, que ambos, colocados lado a lado no mesmo ponto geográfico e no mesmo minuto do mesmo dia, vejam as mesmas nuvens no ar, o mesmo vento quente que sopra de leste, os mesmos indícios de tempestade. Se a realidade não existe, e é apenas construída pela nossa mente, então o pessimista pode ver nuvens onde há céu limpo e o optimista pode ver exactamente o oposto: céu limpo num horizonte fortemente nublado. 

O raciocínio acima está incompleto. Se é certo que defronte de uma aparente mesma realidade (e sublinhe-se a expressão 'aparente mesma'), cada um deles vê factos diferentes ou, de acordo com outras teorias, a exacta mesma realidade é interpretada de forma diferente, tem de haver algo mais que os diferencie - ou até que os assemelhe - para que o raciocínio que suporta este aspecto da vida não seja exageradamente maniqueísta: ou isto, ou aquilo. Perante C, ou A ou B, sendo que ambos são mutuamente exclusivos.

Na diferença de forma como ambos observam a linha do horizonte e vêem (no sentido mais lato do termo) nuvens, vento, humidade, folhas em torvelinho arrastadas pelo chão, há algo em que o pessimista e o optimista são ironicamente iguais: a fulgurância com que interpretam os sinais e os traduzem para os interlocutores de momento, mesmo que em solilóquio. Isto é, há uma nitidez muito clara, de certo modo impressionante, na interpretação do agitar das ramagens, na forma dos nimbos ou dos estratos, na visão do higrómetro. Ambos vêem tudo com uma clareza própria muito grande - quase irrefutável - mesmo que ambos observem uma realidade comum, que talvez seja totalmente diversa.

***

Cruzei-me com este trecho (de um texto mais vasto) nas minhas investigações erráticas para coisas da faculdade. Saio de um período de trabalho excepcionalmente intenso e que deixa marcas nas horas de sono e na diversidade das actividades. Menos para as primeiras, quase nada para as segundas. Ao ler este texto quis acrescentar-lhe um outro aspecto: o cansaço. Em que medida é que o estado físico ou psíquico influi na nossa capacidade de olhar o mundo?

Como é óbvio, há uma resposta que, por ser o cliché que advém do senso comum, não me interessa: a de que o cansaço embota a nossa percepção. Quero pensar exactamente o oposto - até que ponto é que o cansaço é uma lupa, um microscópio ou, na visão mais comezinha das coisas, uns óculos graduados com que vemos a realidade se formos pessimistas? E, inversamente, até que ponto é que um excelente estado de folga do corpo e da mente acrescenta o mesmo à visão de um optimista?

Gostaria um dia de elaborar sobre esta teoria: para um pessimista, o cansaço aguça o discernimento da coisas. Para um optimista é exactamente o oposto. Um dá-se bem com a fadiga, o outro com o descanso. Porquê? Isso ainda não sei.... Isto, claro, se a teoria tiver alguma validade...

JdB 

Nota: as fotografias são, como é habitual, do JMAC, o homem de Azeitão. Chamam-se 'l'arbre', e são duas visões da mesma realidade...

domingo, 27 de julho de 2014

XVII Domingo do Tempo Comum

EVANGELHO Mt 13, 44-52

@ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus às multidões:
«O reino dos Céus é semelhante
a um tesouro escondido num campo.
O homem que o encontrou tornou a escondê-lo
e ficou tão contente que foi vender tudo quanto possuía
e comprou aquele campo.
O reino dos Céus é semelhante
a um negociante que procura pérolas preciosas.
Ao encontrar uma de grande valor,
foi vender tudo quanto possuía e comprou essa pérola.
O reino dos Céus é semelhante
a uma rede que, lançada ao mar,
apanha toda a espécie de peixes.
Logo que se enche, puxam-na para a praia
e, sentando-se, escolhem os bons para os cestos
e o que não presta deitam-no fora.
Assim será no fim do mundo:
os Anjos sairão a separar os maus do meio dos justos
e a lançá-los na fornalha ardente.
Aí haverá choro e ranger de dentes.
Entendestes tudo isto?»
Eles responderam-Lhe: «Entendemos».
Disse-lhes então Jesus:
«Por isso, todo o escriba instruído sobre o reino dos Céus
é semelhante a um pai de família
que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas».

sábado, 26 de julho de 2014

Pensamentos impensados

Avaliação de professores
Há qualquer coisa que me escapa na contestação à avaliação dos professores; terão medo que se descubra a sua incompetência?
Toda a minha vida fui avaliado: exame da 4ª classe e admissão ao liceu; exames do 3º, 6º e 7º anos do liceu. Exame de admissão ao ISA; exame de admissão à empresa onde trabalhei 40 anos. Durante a estadia na empresa, tirei vários cursos, sendo sempre avaliado; anualmente o meu desempenho era avaliado; fiz exame para obtenção da carta de ligeiros e de mota. Também fui examinado para obter carteira profissional de músico.
Lamento que durante o tempo em que andei no liceu não houvesse avaliação dos professores; tive-os incompetentes, doidos e gaseados da Grande Guerra. Chego a não perceber como é que tantos alunos do meu liceu conseguiram chegar ao fim.

Nem tudo está perdido
Apesar de tudo, Ricardo Salgado mantém-se firme como ex-presidente do Banco Espírito Santo.
 
Poesia
Se eu der o mote, o Mario Vargas glosa?
 
Sacos (a descoberto)
Qual a diferença entre um canguru e o Banco Espírito Santo?
O canguru pode usar a bolsa.
 
Frigos
Tem falta de liquidez? Tem as contas congeladas? Experimente desligar a arca frigorífica.
 
Nódoas
Os esquimós, quando andavam à pancada, ficavam cheios de esquimoses.
 
Alta matemática
Daqui a 8 dias, é p'ra semana: daqui a 15 dias, é daqui a 2 semanas, logo, 15 é o dobro de 8.

Precocidade
As minhocas, mal nascem, põem-se logo em pé.

SdB (I)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Friday is a great day to fall in love

Ninguém Tem Pena das Pessoas Felizes"Ninguém tem pena das pessoas felizes. Os Portugueses adoram ter angústias, inseguranças, dúvidas existenciais dilacerantes, porque é isso que funciona na nossa sociedade. As pessoas com problemas são sempre mais interessantes. Nós, os tontos, não temos interesse nenhum porque somos felizes. Somos felizes, somos tontaços, não podemos ter graça nem salvação. Muitos felizardos (a própria palavra tem um soar repelente, rimador de «javardo») vêem-se obrigados a fingir a dor que deveras não sentem, só para poderem «brincar» com os outros meninos. 
É assim. Chega um infeliz ao pé de nós e diz que não sabe se há-de ir beber uma cerveja ou matar-se. E pergunta, depois de ter feito o inventário das tristezas das últimas 24 horas: «E tu? Sempre bem disposto, não?». O que é que se pode responder? Apetece mentir e dizer que nos morreu uma avó, que nos atraiçoou uma namorada, que nos atropelaram a cadelinha ali na estrada de Sines. 
E, no entanto, as pessoas felizes também sofrem muito. Sofrem, sobretudo, de «culpa». Se elas estão felizes, rodeadas de pessoas tristes, é lógico que pensem que há ali qualquer coisa que não bate certo. As infelizes acusam sempre os felizes de terem a culpa. É como a polícia que vai à procura de quem roubou as jóias e chega à taberna e prende o meliante com ar mais bem disposto. Em Portugal, se alguém se mostra feliz é logo suspeito de tudo e mais alguma coisa. «Julgas que é por acaso que aquele marmanjo anda tão bem disposto?», diz o espertalhão para outro macambúzio. É normal andar muito em baixo, mas há gato se alguém andar nem que seja só um bocadinho «em cima». Pensam logo que é «em cima» de alguém. 

Ser feliz no meio de muita gente infeliz é como ser muito rico no meio de um bairro-de-lata. Só sabe bem a quem for perverso. 
Infelizmente, a felicidade não é contagiosa. A alegria, sim, e a boa disposição, talvez, mas a felicidade, jamais. Porque a felicidade não pode ser partilhada, não pode ser explicada, não tem propriamente razão. Não se pode rir em Portugal sem que pensem que se está a rir de alguém ou de qualquer coisa. Um sorriso que se sorria a uma pessoa desconhecida, só para desabafar, é imediatamente mal interpretado. Em Portugal, as pessoas felizes sofrem de ser confundidas com as pessoas contentes. "
                                    Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'   




quinta-feira, 24 de julho de 2014

Imagens dos dias que correm

Gentilmente enviado por JMAC, o homem de Azeitão, junto segue o universo conhecido, feito - o filme, não o universo - pelo Museu Norte Americano de História Natural.

Enjoy it, porque o saber não ocupa lugar...

JdB

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Das ideias inconcluídas

"a luz entra pela ferida", fotografia de JMAC, o homem de Azeitão


Às vezes é isto. Sigo pelo paredão ou pela vida comezinha do dia-a-dia a desenvolver uma ideia. Não sei como nasce. Como os meus dias são, sobretudo, de trabalho e estudo, o lazer da escrita fica para depois, algo ou bastante depois, depende. Um dia sento-me a escrever e a pôr no éter a ideia que me assolou o cerebelo. Quando dou por mim nem sei qual era a ideia que estava a magicar nem sei o que hei-de elaborar. O texto abaixo é um exemplo. Acabou em vírgula, porque não sabia o que havia de acrescentar-lhe... Talvez nem soubesse mesmo sobre o que queria partilhar.

Peço desculpa. Se alguém quiser contribuir para um final interessante...

JdB

***

No minuto antes é a escuridão, as folhas e os bichos e as clareiras e as árvores iluminadas apenas pela luz da lua ou dos candeeiros, torres altas que ainda aguardam a ordem de dormir. Um minuto depois o sol desponta no fio dos montes, por trás das casas onde se imaginam rotinas matinais - as abluções, as instruções às crianças, o pequeno almoço magro, o beijo de até logo, os pijamas de pelúcia ou de cetim local atirados para o lado, os dias repetidos, o marido sem emprego, a mulher sem paciência, os filhos a leite e pão sem compota. O sol atravessa as mulatas iluminando-lhes a folhagem, recortando-se por entre as ramadas, procurando espaços abertos. Incide num pedaço de terra onde a relva cresce lentamente com um vagar que não obedece a necessidades humanas. O sol bate num ponto específico, que não se calcula por fórmulas matemáticas. É aquele, naquele dia, onde formigas continuam o seu labor de levar migalhas, restos de coisas que já são restos de coisas. Um segundo depois, outro ponto iluminado. Um ponto específico, na luz que atravessa as mulatas e cujo destino não se define pela ciência.

Na varanda, debruçado sobre a vida, um melro olha.

Outro minuto, e a luz ainda não chegou a todo o lado. Uma folha iluminada no chão, entregue à voragem do vento que a levará; outra, a alguns passos, permanece na sombra, já não na penumbra. Não sabe se o sol lá chegará, porque há imprevistos: um fragmento de nuvem, um estalo de vento, um ramo que se desloca do sítio onde filtra a luz. Metade do jardim está debaixo de um sol matinal, a outra metade aguarda a sua vez, confiada na suave rotina da natureza. Na água do lago um insecto despede-se da vida, alumbrado nos últimos segundos, como  

      

terça-feira, 22 de julho de 2014

Duas Últimas

Porque temos bons amigos, passei o último fim-de-semana com parte da família – infelizmente torna-se já muito difícil juntá-la toda -  num sitio francamente recomendável para o restabelecimento da alma e do corpo.

Praia soberba com um belo mar, vistas amplas, pouca gente em terra e à beira mar, tempo quente qb, casa bem agradável nos interiores e exteriores, com localização privilegiada.

A família também gostou, especialmente a minha mulher, com o contributo suplementar de se ter criado não muito longe dali. Suponho que inovadoras ideias virão por aí em matéria de novos percursos de lazer e férias….

A respeito de percursos, deixo-vos com António Variações, no seu caminho da aldeia para a cidade, em mais uma grande letra de uma das suas músicas menos tocadas.

Teve uma carreira curta, mas marcante. Morreu com 39 anos, há 30 anos. Faria 70 anos em Dezembro próximo.

Espero que a escolha seja do vosso agrado!


fq

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Vai um gin do Peter’s?

Embora sem conseguir ter confirmado a fiabilidade da fonte, é tão generosa e cheia de fé a mensagem, ou melhor dito, a oração atribuída a Judite de Sousa pela morte repentina do seu único filho de 29 anos, que partilho o texto, a par de outro assinado pela poeta (recusava-se ser “poetisa”) do mar – Sophia.

Em Judite, a mistura incrivelmente serena entre a saudade infinita e a esperança de um reencontro definitivo, num futuro próximo, é luminosa e de uma mansidão bem invulgar. Sobretudo, por acontecer na hora mais aguda e dolorosa do lusco-fusco. Comove.


Em Sophia – poeta da orla marítima e da liberdade, da possibilidade de a dor também trazer esperança, da alegria suave de quem sabe que as rosas têm espinhos – o presente é encarado e cantado à luz da eternidade, lançado num tempo que não conhece ocaso. Por isso, ressoa igualmente com voz maternal, a acreditar na densidade que se esconde no silêncio, na presença de Amor que impregna cada instante, mas sem triunfalismos fáceis, nem pragmatismos. Ao invés, mostra-nos a alma humana frente ao grande horizonte que o mar lhe evoca. Porque vida e morte se entrelaçam, misteriosa e inexoravelmente.

 

Estes são poemas que antecipam a hora da Partida definitiva:


 

    Escuto


                  Escuto mas não sei
Se o que oiço é silêncio
Ou deus
Escuto sem saber se estou ouvindo

O ressoar das planícies do vazio
Ou a consciência atenta
Que nos confins do universo
Me decifra e fita

Apenas sei que caminho como quem
É olhado amado e conhecido    
E por isso em cada gesto ponho
Solenidade e risco.
                                                                        Sophia de Mello Breyner Andresen.
      Aqui
Aqui, deposta enfim a minha imagem,
Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem,
No interior das coisas canto nua.

Aqui livre sou eu — eco da lua
E dos jardins, os gestos recebidos
E o tumulto dos gestos pressentidos,
Aqui sou eu em tudo quanto amei.

Não por aquilo que só atravessei,
Não pelo meu rumor que só perdi,
Não pelos incertos actos que vivi,

Mas por tudo de quanto ressoei
E em cujo amor de amor me eternizei.

                                                                                                            In 'Dia do Mar'
                  (…)
              Se tanto me dói que as coisas passem
              É porque cada instante em mim foi vivo
              Na busca de um bem definitivo
              Em que as coisas de Amor se eternizassem.

                                                                        Sophia de Mello Breyner Andresen, in ‘TAPAS OS CAMINHOS


Arriscaria só trazer para o presente o tempo do verbo da última frase, para o aproximar dos nossos dias, acreditando que as coisas de Amor foram e são concebidas para se eternizar, talhadas para conquistar uma liberdade emancipada de todos os condicionalismos.

Este tipo de concepção arrojada do Eterno, habitado no seio do presente, é também professada por um dos maiores pensadores do século XX – Franz Rosenzweig(1), como lembrou o P.Tolentino na sua crónica semanal da revista do Expresso: «A eternidade é um hoje consciente de ser mais do que hoje.» Indo mais longe, aquele filósofo-escritor-teólogo, que viveu o inferno das trincheiras da Grande Guerra, arriscou afirmar que: «O grande poder do ser humano é que tudo o que ele necessita para ser humano tem-no no instante.» Uma verdade que nos toca de perto sempre que rasamos a morte e ficamos mais despertos para agarrar o momento actual como dom irrepetível.   

Maria Zarco

(a  preparar o próximo gin tónico, para daqui a 2 semanas)




____________________________________________
(1)  Este judeu alemão (1886-1929), que morre paralíptico aos quarenta e poucos anos de idade, vê esboroarem-se as suas convicções hegelianas, quando combate na Guerra de 14-18. É na própria bateria antiaérea alemã da frente sérvia que escrevinha, em bilhetes postais, a sua obra de referência – «A Estrela da Redenção» (1916)! 

A dor dilacerante daquele combate põe em cheque a sua perspectiva racionalista da história. Aterrorizado pelo paganismo selvático que grassa na cultura europeia, encapotado sob uma fé cristã raiada de superficialidade e de arrogância étnico-nacionalista, entra em desespero! Descobre, depois, nas raízes espirituais judaico-cristãs uma brecha de Esperança possível e factual, que o reconcilia com o ser humano, considerando-a a única realidade capaz de suplantar a bestialidade que assola o Velho Continente.

domingo, 20 de julho de 2014

XVI Domingo do Tempo Comum

EVANGELHO Mt 13, 24-43
«Deixai-os crescer ambos até à ceifa»

@ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus disse às multidões mais esta parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um homem
que semeou boa semente no seu campo.
Enquanto todos dormiam, veio o inimigo,
semeou joio no meio do trigo e foi-se embora.
Quando o trigo cresceu e deu fruto,
apareceu também o joio.
Os servos do dono da casa foram dizer-lhe:
‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo?
Donde vem então o joio?’
Ele respondeu-lhes: ‘Foi um inimigo que fez isso’.
Disseram-lhe os servos:
‘Queres que vamos arrancar o joio?’
‘Não! __ disse ele __
não suceda que, ao arrancardes o joio,
arranqueis também o trigo.
Deixai-os crescer ambos até à ceifa
e, na altura da ceifa, direi aos ceifeiros:
Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar;
e ao trigo, recolhei-o no meu celeiro’».
Jesus disse-lhes outra parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um grão de mostarda
que um homem tomou e semeou no seu campo.
Sendo a menor de todas as sementes,
depois de crescer, é a maior de todas as hortaliças
e torna-se árvore,
de modo que as aves do céu vêm abrigar-se nos seus ramos».
Disse-lhes outra parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se ao fermento
que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha,
até ficar tudo levedado».
Tudo isto disse Jesus em parábolas,
e sem parábolas nada lhes dizia,
a fim de se cumprir o que fora anunciado pelo profeta,
que disse: «Abrirei a minha boca em parábolas,
proclamarei verdades ocultas desde a criação do mundo».
Jesus deixou então as multidões e foi para casa.
Os discípulos aproximaram-se d’Ele e disseram-Lhe:
«Explica-nos a parábola do joio no campo».
Jesus respondeu:
«Aquele que semeia a boa semente é o Filho do homem
e o campo é o mundo.
A boa semente são os filhos do reino,
o joio são os filhos do Maligno
e o inimigo que o semeou é o Demónio.
A ceifa é o fim do mundo
e os ceifeiros são os Anjos.
Como o joio é apanhado e queimado no fogo,
assim será no fim do mundo:
o Filho do homem enviará os seus Anjos,
que tirarão do seu reino todos os escandalosos
e todos os que praticam a iniquidade,
e hão-de lançá-los na fornalha ardente;
aí haverá choro e ranger de dentes.
então, os justos brilharão como o sol
no reino do seu Pai.
Quem tem ouvidos, oiça».

sábado, 19 de julho de 2014

Pensamentos impensados

Perfeições
Gostava de ser Santo; tenho tentado, mas sou tentado.
 
Libações
Vale e Azevedo tem uma fixação pelo habeas corpus.
O Juiz que apreciou o caso disse habeas copus? Toma um Guronsan que isso passa
 
Futurologia
Cavaco Silva disse: tenho esperança e confiança no futuro da economia portuguesa.
Quanto tempo falta para o futuro?
 
Recordações
Tenho memória do elefante; daquele que tocava o sino no Jardim Zoológico.
 
Aviso à Polícia
Nunca é tarde para prender.
 
Bis
O 1º ano bissexto foi o 12º.
 
Novo Acordo
Segundo o novo acordo, esse aborto, os meses escrevem-se com minúscula.
Cavaco Silva também?

SdB (I)

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Efemérides dos dias que passam

Ontem, dia 17 de Julho, celebrámos o dia dos Barnabés. Segue abaixo uma curtíssima resenha do que são e do que fazem na Acreditar. Entre os elementos do grupo haverá motivações diversas: querer continuar a ser ajudado nas várias fases da vida; ajudar os outros, que é uma forma de agradecer à vida.

JdB 



17 de Julho – Dia do Barnabé


QUEM SÃO OS BARNABÉS?
Crianças, jovens e adultos que na sua infância vivem ou viveram uma doença oncológica.

PORQUE EXISTE O CLUBE ACREDITAR?
A Acreditar quer proporcionar aos Barnabés as mesmas oportunidades de crescimento e integração!
A partilha de experiencias semelhantes, apesar de únicas, pode ser essencial na recuperação e bem-estar!

QUEM PODE PERTENCER AO CLUBE ACREDITAR?
Os Barnabés e os seus irmãos que por serem tão importantes são muito bem-vindos nas nossas actividades!

O QUE FAZEMOS?
Actividades lúdicas e de partilha - Passear, acampar, visitar, viajar, conhecer!
Voluntário Barnabé – Apoiar as crianças internadas; animar nas saídas!
Sensibilização – Informar, esclarecer, ajudar a ajudar


quinta-feira, 17 de julho de 2014

Poesias dos dias que correm *



Missão

O poeta cristão seria o que viesse

De látego e, dele pálido, batido

Não o amuseur de quermesse

Das Cinco Chagas desvanecido.

No seu cubículo compungido à noite.

Catando na alma as gordas lesmas,

Sibilara-lhe em sílabas o açoite

Em suas carnes mesmas.


O poeta é terror no ermo adornado,

Lâmpada e vara quente.

Já me sinto aterrado:

Falta-me ser ardente.

(Vitorino Nemésio)

***

O amor não amado

Nem sei porque ainda falo em Deus.


Se de mim me afasto e obedeço ao mundo

- traz ele consigo um sonho para levedar

na perspicácia absorta de um farol de angústia –

e não concedo esperança ao que anda em mim

podendo ser volúpia da memória livre;

se Deus partiu para o limite da vida

quando olhámos ambos a realidade das coisas;

se não existe uma barca onde o rumo se invente,

embora as pontes sejam dessas barcas;

se onde estiver um homem não estará outro homem.


não sei, de facto, porque falo de Deus.

(Jorge de Sena)

***

Lembra-te ó homem

Lembra-te ó homem daquele tempo antigo

considera os anos da geração passada

quando a cidade das palmeiras era olhada

por cristo que passava entre o trigo


ou anos antes pelo inimigo

que falava a moisés do mais alto do fasga

Da hortelã da arruda de qualquer erva plantada

pagaste o dízimo ó meu triste amigo


quando o amor é que exigia rapidez

Tens de deixar casa vergéis e jardins

coisas modestas como as unhas e os amendoins


E o que vai ser de ti? Serás talvez

não o que deus não foi para ti: rins

cingidos mas um nome para a tua timidez

(Ruy Belo)


***

Escuto

Escuto mas não sei

Se o que ouço é silêncio

Ou deus


Escuto sem saber se estou ouvindo

O ressoar das planícies do vazio

Ou a consciência atenta

Que nos confins do universo

Me decifra e fita


Apenas sei que caminho como quem

É olhado amado e conhecido

E por isso em cada gesto ponho

Solenidade e risco

(Sophia de Mello Breyner Andresen)


***

Nota: lidos em papel e retirados daqui. Curiosamente, o poema de Sophia de Mello Breyner Andresen remata, na última página, o livo Deus pregou-me uma partida, que escrevi em co-autoria com a Rita Jonet.


Acerca de mim

Arquivo do blogue