quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Poemas dos dias que correm

Fotografia de Alfredo Cunha (tirada da net)


Nas fronteiras deste Mundo

Deus nas fronteiras deste mundo,
Deus que cruzamos como as sombras,
dá-nos um corpo de desejo
e um ouvido de começo,
fica connosco Deus que passas
e nossas mãos te larguem,
Deus confundido com a sede,
e as palavras que dizemos,
vem alterar o nossos corpo,
vem confundir a nossa fome,
Deus da palavra,
flor do vento,
manhã que vem em Jesus Cristo.

Dê-te prazer o nosso canto,
Deus das manhãs azuis e rosa,
que o nosso corpo te anuncie qual fonte,
rio ou chaga aberta,
que nossas mãos persigam o teu passar escondido.

Deus invisível para os olhos,
palavra solta, luz que passa,
é neste tempo que dizemos o claro escuro do teu nome,
onde é secreta a tua face e o teu passar adivinhado.

(Frei José Augusto Mourão)

***

O silêncio (segundo Angelus Silesius)

Deus ultrapassa tudo
nada se pode dizer
a tua oração seja
a prece do silêncio

Cala-te, cala-te, dileto
aprende ainda a calar
A prodigalidade de Deus
só a alcança
a prece do teu silêncio

Ninguém fala menos do que Deus
em nenhum tempo, em nenhum lugar
A Palavra que Deus pronuncia
é silêncio

(Pe. Tolentino Mendonça)



Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue