terça-feira, 9 de março de 2010

A Camisola

Tenho uma camisola
grande demais para toda a gente,
aparentemente.

Serve para o inverno
e para o verão
e tem de estar sempre à mão.
Se me perguntassem,
eu já sabia,
a minha camisola tinha magia.

É a camisola das memórias,
das cores e dos cheiros,
das viagens e dos pequenos passeios.

É a toalha,
quando calha,
e é a almofada,
quando bem enrolada.
Até de chapéu serviu,
e já fez de cachecol,
aqueceu-me do frio
e tapou-me do sol.

No bolso da frente
dá para guardar
tudo o que quisermos levar,

já guardou o lanche,
dentro dum saquinho,
e houve um dia
em que escondeu um cãozinho.

A minha camisola era
a minha namorada,
até ao dia em que foi emprestada.

Vestiste-a morena
e salgada do mar
sorriste e disseste
para te abraçar.

Cheiraste-me no carapuço
e nas mangas sem fim,
sorriste outra vez
e beijaste-me enfim.

zdt

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue