quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Duas últimas

Quisera ser passarinho, mas Deus fez-me apenas imperador.

Esta frase, cuja sintaxe me oferece dúvidas e cujo autor não descobri (parece ser de um imperador romano) acompanha-me há décadas, porque a minha memória percorre caminhos bizarros. Na frase leio um desejo de liberdade, talvez de simplicidade, mas, e sobretudo, uma clara noção da importância relativa das coisas. O advérbio apenas é uma prova determinante, não fosse eu ter-me explicado mal.  

A simplicidade é uma conquista muito difícil, eventualmente superior à conquista do Annapurna. Talvez seja mesmo - e ironicamente - algo de muito complexo. Quando falamos de simplicidade falamos exactamente de quê? De ausência de requinte ou de luxo? De despojamento ou de frugalidade? De ascetismo? De sem-cerimónia? E o que é a simplicidade nas relações entre as pessoas, na aproximação aos outros? 

Cada um de nós terá ideias próprias sobre o tema em apreço. Uns apreciarão o assunto, outros terão sérias e fundadas dúvidas sobre a universalidade da definição, muitos terão ideias próprias relativamente ao conceito. O que é para uns não é para outros. Aí, nessa heterogeneidade de concepções, reside o encanto, e tantas vezes o seu inverso. Mas a vida é o que é.

***

Deixo-vos com os Dead Can Dance em duas músicas improváveis na minhas discografia, com as quais me cruzei derivado às tropelias do destino.

JdB  



2 comentários:

Anónimo disse...

Quadra muito cantada no Fado

Papoilas que o vento agita
Não me canso de vos ver
Há lá coisa mais bonita
Que ser simples sem saber
SdB(I)

Anónimo disse...

Improváveis mesmo...
Abr
fq

Acerca de mim

Arquivo do blogue