quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Das bizarrias - ou das aparentes desconformidades

Há algumas semanas almocei no campo em casa de uma amiga que tem três filhas, uma delas na casa dos vinte e muito poucos anos. A jovem sentou-se na mesa onde eu estava com uma amiga que, por acaso, era filha de amigos de longa data, e conversámos sobre petits riens, sendo que o tema namorados veio à baila. Ela falou despreocupadamente de alguém com quem subiu à catedral de Sevilha e por quem sentiu uma química especial. Não foi a beleza física, uns olhos verdes ou umas mãos fortes, um cabelo desgrenhado ou uma suspeita de fundo alternativo. Não foi nada que nos parecesse normal numa rapariga daquela idade. O que foi, então? Salazar - isso mesmo, António de Oliveira Salazar na boca de dois jovens que nem sequer são contemporâneos do rústico de Santa Comba, como diria um parente nosso. O que os ligou de imediato? A ideia, expressa pelo político e verbalizada pelo rapaz, que Portugal ia de Minho a Timor.  E a rapariga tremente, enlevada com tanto sincronismo, repetiu um pensamento que condicionou todo um país e toda uma época (e cito de cor): devo à Providência a graça de ser pobre

***

Circulo displicentemente pelo átrio da Faculdade de Letras onde há uma banca com artigos expostos. Espreito para posters, camisolas, talvez pins. Sou abordado por um cavalheiro simpático que me quer falar sobre um evento, a realizar em Junho na faculdade, sobre ficção científica. Pretendem explicar o que é, que há uma ideia - errada - de que está sempre relacionado com estrelas, e que querem ligar o tema da ficção científica ao ensino universitário. Oiço vagamente desinteressado, que o tema me diz pouco. As camisolas são quase todas pretas, os posters idem idem aspas aspas, os desenhos são futuristas. O senhor continua a explicação, dá-me uma cartão com o site que abre com o lema: unidos pela ficção científica.  Nada disto seria bizarro se o dito cavalheiro não terminasse a conversa apontando-me para uma ponta da mesa onde jaziam objectos ligados ao tema. Entre os vários artigos, alguns feitos em crochet cor-de-rosa...

JdB

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue