quarta-feira, 12 de abril de 2017

Duas Últimas

Ontem fui sozinho ouvir dois requiem - o de Fauré e o de Mozart. Há quem ache que um requiem é violento, quanto mais dois...

A música não me provoca sentimentos depressivos, como já devo ter escrito por aqui várias vezes. Oiço música triste quando estou alegre, sendo que a inversa também é verdadeira. Se estiver muito triste não fico mais por ouvir música triste, nem recorro a música alegre para puxar por mim acima. Ouvir dois requiem é, portanto, um exercício inócuo do ponto de vista do ânimo, sendo que não é do ponto de vista da elevação do espírito.

Conhecia partes do Requiem de Fauré. Acheio-o bonito, talvez muito triste. O Requiem de Mozart é bonito, triste, inspirador, espectacular, lindíssimo, comovente. Talvez seja, para mim, uma das três obras de arte mais fantásticas da história da música - são quase 60 minutos de beleza.

Deixo-vos com dois excertos de cada um dos requiem.

In Paradisum:

Que os anjos te recebam no paraíso;
e que os mártires te esperem
e te levem até à cidade Santa, Jerusalém.
Que o coro dos anjos te receba
e com Lázaro, que foi pobre,
tenhas repouso eterno

JdB



Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue