quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Diário de uma astróloga – [33] – 29 de Agosto de 2012


Eixo Virgem - Casa 6/ Peixes - Casa 12

Nesta última semana a minha vida tem sido um permanente seesaw entre a energia de Virgem e tarefas de Casa 6, e a energia de Peixes e assuntos de casa 12. 

A venda da casa de Cape Cod marca o fim de um capítulo do meu percurso. Com uma vida cheia de mudanças como a minha devia estar habituada, mas desta vez estou cheia de pena e desgosto. Muitas vezes têm-me vindo lágrimas aos olhos porque dizer adeus é difícil, sobretudo para uma pessoa, como eu, nascida sob a Lua Nova que está, consequentemente, mais à vontade com inícios e não com fins. Mas tenho que me render à força da corrente que mudou as nossas vidas e largar esta amarra. Ao mesmo tempo dou graças pelos momentos sublimes que aqui vivi, como o último dia na praia ao fim tarde com os meus seis netos …

Zach, Tomas, Isabel, Alice, Oliver e Teddy em Hardings Beach, Chatham, Cape Cod ao fim da tarde


Dentro do caos dos meus sentimentos actuais, mesmo antes de partir já sinto saudade. 

Tudo o que descrevi se enquadra dentro do arquétipo Peixes/ Casa 12. No lado oposto do zodíaco está a energia de Virgem e a casa 6. Aqui contrabalanço com pragmatismo, ordem, tratar de reparar todas as pequenas coisas que se estragam numa casa, organizar o envio para Londres e para Seattle, dar o que não preciso, deitar fora o que está estragado. Este exercício de tomar uma decisão sobre cada móvel, lençol, moldura ou panela é um escape à tristeza. Quero deixar o meu jardim o mais saudável possível, numa preocupação de eficiência talvez idiota, mas o meu jardim, onde não há arbusto, erva, flor que não tenha sido plantada por mim, é quase um sétimo neto.

Como diz o Eclesiastes: "Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu". Hoje é, sem dúvida, tempo de dizer adeus ao sonho de Cape Cod (Peixes) e de, eficiente e eficazmente, cumprir a minha to do list (Virgem). 

Por essa razão este post é mais breve do que o habitual … A criatividade (Leão) ficará para quando a lista dos afazeres tiver sido cumprida e as lágrimas tiverem secado.

Luiza Azancot

4 comentários:

JdB disse...

Voltamos a falar do Eclesiastes, com esta frase cheia de sabedoria que de alguma forma nos conforta. Há um tempo para tudo, de facto, e o grande desafio é percebermos what's what...
Uma outra frase, talvez mais no domínio de um wishful thinking da fé, diz-nos que quando Deus fecha uma porta abre sempre uma janela. Também aqui o desafio é identificarmos a janela, se bem que no vosso caso a frase possa ser tomada à letra, e não no sentido figurado. Pode construir-se uma casa começando por uma janela aberta?
"Partamos de flor ao peito", diria o poeta.
Um abraço

Ana LA disse...

Minha querida amiga,
Sei o que sentes, até porque te conheço bem (sorte a minha), mas sabes?
Quando vi a fotografias dos netos na praia, imaginei esta correria na praia do Guincho. Aposto que daqui a 2 anos, já com a Isabelinha mais à frente, esta cena se repetirá e ao fundo veremos a prancha de Windsurf do Miguel.
Back home where you all belong.

miri disse...

Querida Luiza
o seu testemunho deixou-me de lágrima ao canto do olho. A foto dos netos exaltou todo o lado caranguejo que há em mim e fiquei completamente enternecida.
Um beijinho muito grande
Marta

Anónimo disse...

Muito bonito o seu post, Luiza. Espero que se refaça desta perda dentro em breve e que goze muito, muito a próxima etapa da sua vida (que espero seja o melhor possível). pcp

Acerca de mim

Arquivo do blogue