domingo, 29 de janeiro de 2017

Caminho marítimo para a Índia (III)

Ontem escrevi sobre NOVA DelI. Hoje escrevo sobre a VELHA Deli. E sim,  as maiúsculas são propositadas, até porque não falamos da mesma realidade. A Lisboa da Avenida João XXI é a Lisboa da Graça? Não será, pelo que Nova Deli e Velha Deli também não são iguais.



Velha Deli é fotogénica. Tem cantos, pormenores, imagens paradas que reflectem o caos sonoro e o movimento incessante. Fazer 200 metros de rickshaw pode corresponder a uma viagem de 15 minutos acompanhada de gritos em hindu e de buzinas potentes. Ninguém se atropela nem se insulta; não há batidas e a condução de veículos como do tipo em que circulamos - um atrelado puxado esforçadamente por um local bem disposto de bicicleta ou a pé - ou de um carro ou de uma moto, é um exercício de perícia. Por outro lado, há uma solidariedade nesta condução que encerra um misto de simpatia e necessidade de sobrevivência: não se conseguiria circular se não houvesse esta cumplicidade circulativa, vislumbrada pelos gritos de alerta aos quais se responde com outro grito de alerta, pelas manobras engenhosas para ultrapassar um carro engarrafado.

Estivemos ontem em Velha Deli. Embora o boletim meteorológico previsse céu limpo, havia uma neblina no ar que mais não era do que uma poeira fina de poluição poeirenta, que se agarra ao cabelo, à pele, à roupa. Não se cheira, mas sente-se.



Fora isso, Velha Deli é o caos (que em em grego significa abismo): a porcaria, a desorganização, o trânsito infernal, o ruído, as pessoas coladas uma às outras por falta de espaço, o desrespeito pacífico pelas vias de circulação. Mas Velha Deli tem encanto, tem graça, tem repulsa, suscita um prazer ou um ódio óbvios e imediatos - Velha Deli? Ame-a ou deixe-a... Nova Deli e Velha Deli têm semelhanças retratadas na frase anterior: a confusão, a porcaria, o desrespeito. Mas a Velha Deli tem um encanto fotogénico que apetece repetir demoradamente pelos corredores onde se vende de tudo.


Qual o cheiro de Deli - a velha ou a nova? Ainda não sei. Qual a cor? Talvez a das especiarias retratadas acima, ou das flores, mais abaixo.

JdB





   

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue