terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Histórias de desejo e de gesto - I

Segredo-te silêncios ao ouvido
e os meus olhos param perto
do teu cabelo adormecido,
deixando hesitante
o prazer que perdura no resto
que é o espaço do instante
entre o desejo e o gesto.

JCN

2 comentários:

Anónimo disse...

Como reagiu, a musa deste poema? Sortuda! Rita Ferro

Anónimo disse...

...é bom alguém assim a velar os son(h)os...

Acerca de mim

Arquivo do blogue