terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Insónia

Tic. Tic. Tic.

Oiço a torneira pingar desde que fechei os olhos. Viro-me para um lado, viro-me para o outro, e ainda me viro para um terceiro, porque nenhum dos outros dois serviu. O tempo vai brincando com o meu sono. Como eu, não tem para onde ir.

Tic. Tic. Tic.

Continuo a ouvir o pingar, lá ao fundo. Fecho os olhos, e acompanho o compasso das gotas com o indicador da mão direita. Tento fazer um padrão, um ritmo, uma música. Já tenho o indicador da mão esquerda em contraponto, a encher os espaços vazios. Respondo ao tic da água com um toc surdo, numa qualquer dança estranha. Não me parece que isto vá dar em nada. A dança, o sono muito menos.

Tic. Tic. Tic.

Fecho os olhos, mas hoje não é o meu dia. Tento esvaziar as ideias, enrolá-las todas numa bola entre os dedos, e atirá-las para o canto do quarto. Acerto num vulto de contorno suspeitos. Na luz é um tão prosaico candeeiro de pé, mas no escuro tem uma vontade própria. Mas, ainda assim, o sono não chega. Vou continuar nesta dança até o sol chegar.

Tic. Tic. Tic.

Não há nada mais solitário do que uma insónia...

SdB (III)

3 comentários:

cris disse...

SdB,

Tem razão. Nada melhor do que acender a televisão nas televendas sem som. Ao fim de 5m o sono vem e que sono!!!!!.

Até para a semana.

arit netoj disse...

Óptima descrição de insónia!
Não lhe desejo mais mas tenho que admitir que foi uma boa fonte de inspiração.
Parabéns! Está a escrever muito bem.
Beijinhos

Anónimo disse...

Que texto fantástico. Que original descrição de uma insónia. Que figuras de estilo tão conseguidas. Escreve lindamente, SdB. pcp

Acerca de mim

Arquivo do blogue