quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Diário de uma astróloga – [10] - 12 de Outubro de 2011


Steve Jobs:  24 de Fevereiro 1955 – 5 de Outubro de 2011

Este blog publicou uma bela fotografia de Steve Jobs.  Gostaria de continuar a prestar-lhe homenagem.

Quando ouvi a notícia da morte de Steve Jobs,  apesar de saber que ele estava com um cancro do pâncreas, a minha reacção foi de incredibilidade. Este génio que modificou a forma como comunicamos e ouvimos musica foi-se… e agora?  Senti-me abandonada. E não devo ter sido só eu, porque não me lembro de ter havido uma reacção global desta proporção relativamente à morte de um CEO. Até as televisões do  metropolitano de Roma, que normalmente dão meteorologia, notícias de crimes passionais e escândalos Berlusconianos, no dia 6 de Outubro falavam de Steve Jobs quase ininterruptamente.  

É lembrado pelos seus produtos inovadores, pelas companhias de sucesso que fundou mas, também, porque criamos uma intimidade com ele. O conceito normal de marketing diz que o produto deve ir ao encontro dos desejos do consumidor.  Steve Jobs percebeu que o consumidor não pode desejar uma coisa que não existe e, através da sua intuição, deu-nos o que ainda não existia, mas que ele sabia que o mundo desejava. 

Além disso, por detrás da sua imagem com a camisola de gola alta preta andando para cá e para lá no palco durante a apresentação de novos produtos, sentia-se um ser humano de uma qualidade excepcional.

Isto é confirmado no discurso que fez na cerimónia de formatura da Universidade de Stanford em 2005. Para mim a parte mais bonita é a seguinte:

O vosso tempo é limitado, por isso não o desperdicem vivendo a vida doutra pessoa.  Não se deixem aprisionar por dogmas – que consiste em viver de acordo com as opiniões de outros.  Não deixem que o barulho da opinião dos outros abafe a vossa voz interior.  E, sobretudo, tenham a coragem de seguir a vossa alma e o vosso coração.  Eles já sabem o vosso verdadeiro caminho.  Tudo o resto é secundário.

Estas palavras, para a astróloga, soam maravilhosamente.  Sei que cada um de nós tem uma identidade própria, um propósito neste mundo, umas qualidades fundamentais que necessitam de encontrar expressão e de não ser apagadas por critérios familiares, sociais, culturais.

Steve Jobs sabia do que falava;  apesar do sacrifício que os seus pais fizeram para o mandarem para uma Universidade caríssima, desistiu ao fim de 6 meses e foi criar o primeiro Mac com o seu amigo Woz para a garagem dos pais.  Depois da Apple ser já um sucesso foi despedido da própria companhia que tinha fundado.  Mas, apesar de riquíssimo, não calou a sua voz de criador e inovador. Fundou a Next e o estúdio Pixar que revolucionou a animação em cinema. Voltou para a Apple e revitalizou a companhia com todos os “i” que existem hoje.

A carta do céu dele tem aspectos que ajudam a perceber a sua personalidade e a sua vida.


O Sol no signo de Peixes, juntamente com as suas outras características, deu-lhe a intuição para perceber o que o mundo queria.

Mercúrio,  símbolo da energia mental, está na casa 5 da criatividade e no signo mais inovador de todos, Aquário. Mais ao menos 4% da população tem esta disposição, mas o Mercúrio de Steve Jobs tem mais duas características que elevam a uma potência estratosférica. Está estacionário relativamente ao movimento aparente com a Terra e não tem nenhuma relação angular com outros planetas. Isto significa poder mental inovador no seu mais puro estado.

O planeta que simboliza força, determinação, Marte, está no signo onde melhor se exprime, Carneiro, e num grau (29º) que o eleva a uma potência superior.  Steve Jobs tinha uma vontade de ferro e não se deixou abater, primeiro pela falta de meios, e depois por ter sido afastado da Apple por incompetência como gestor.

Ele conta que já fora do currículo universitário, mas enquanto ainda andava a pairar pelo “campus”, tirou um curso de caligrafia.  Esta escolha não foi racional mas foi uma resposta à sua voz interior.  O conceito de estética minimalista e atenção aos detalhes de execução presentes na caligrafia chinesa aparecem em todos os produtos da Apple e são simbolizados na carta do céu de Steve Jobs por Vénus (sentido estético) em Capricórnio (sobriedade, minimalismo, perfeição).

Por ter tido a coragem de ser quem era, por ter ouvido a voz do coração, por todos os “i”, pelos macs, obrigada Steve Jobs.

Luiza Azancot



2 comentários:

Ana LA disse...

Olhe minha amiga, eu também quero um mapa astral assim. Aquele mercúrio dava-me imenso jeito. No fundo, o que eu gostaria mais era do Marte no Carneiro porque, estou convencida de que, se não houver vontade de ferro e determinação, metade fica pelo caminho.
Bom dia minha querida. Sempre actual e interessante.

Anónimo disse...

Que interessante, Luiza! Fascinante, mesmo. Obrigada pela parte que me toca. pcp

Acerca de mim

Arquivo do blogue