terça-feira, 25 de outubro de 2011

Duas últimas



Não só não conheço o Pablo Alborán como nunca lhe tinha ouvido o nome. Tenho uma ideia menos do que vaga da nacionalidade do cavalheiro e não sei onde se enquadra musicalmente, embora reconheça que este desconhecimento é totalmente irrelevante para a riqueza das nações. 
Acompanho de forma vaga a carreira da Carminho, se bem que o único disco que ela terá gravado esteja incluído no meu iPod. Como fadista não a coloco no pódio dos meus favoritos, mas, não obstante, oiço-a com prazer.
Até ontem desconhecia este dueto que vos apresento hoje. Mão amiga fez-mo chegar às mãos e, dado que me parece ser recente no ciberespaço (expressão interessante mas, quiçá, tecnicamente desajustada), decidi partilhá-lo convosco, multidão anónima de bons samaritanos que fazem a infinita caridade de me ler. 
Os que me conhecem melhor sabem deste meu desabafo: felizmente não sou especialista de nada, pelo que divido a generalidade dos temas entre o gosto e o não gosto. Gostei do dueto e gostei das imagens de Lisboa. No fundo é isto...
Sintam-se à vontade para desancar tudo, encher de críticas acesas a caixinha dos comentários, derramar a vossa irritação musical (ou outra, em havendo...) sobre estes 4'24'' de sonoridade semi-fadista com a capital do império pelo fundo. Acima de tudo respeitem o editor e dono deste estabelecimento. Acho que é o mínimo.

JdB
    

7 comentários:

JdC disse...

Com todo o respeito devido ao dono do estabelecimento, acho este estilo musical "catitinha" ou, como diria alguém que ambos conhecemos, "amoroso". O que não tira que considere que a Carminho tem uma voz estupenda e que canta lindamente outros estilos que não fado.

Maf disse...

olá Jotas (dC e dB), pois eu gostei muitissimo, ou não fora eu uma pessoa catitinha e amorosa quase a raiar o pirosa, heheheh Gosto da mistura dos estilos e acho que os 2 artistas se enriquecem mutuamente.
Também gostei de saber que faço parte da "multidão anónima de bons samaritanos que fazem a infinita caridade de me ler".
Bj e boa semana

Ana LA disse...

Oh JdB!
Aqui vai a minha irritação!
Por que raio havia a Carminho de cantar em Espanhol? A minha filha canta sempre em português com os Nouvelle Vague.
No entanto, também sou catitinha e amorosa (sorry JdC, já somos duas Maf) e confesso que gostei da escolha.

Anónimo disse...

Não conhecia de todo e também gostei,da música e das 2 vozes. A da Carminho, amorosa, sem dúvida.
Boa escolha, chefão!
Abr
fq

Anónimo disse...

Muito giro! Gostei imenso das vozes e da melodia. Sou grande fã de duetos! Quando resultam, resultam em cheio, trazem uma cumplicidade especial à música. Não que seja o caso, convenhamos. Mas gostei imenso. Boa escolha, JdB. pcp

Anónimo disse...

Ele, à moda espanhola, lembra-me o António Zambujo. Que me lembra, nalgumas canções, o grande Caetano! pcp

Anónimo disse...

Another new artist for me, and a nice tune. Thanks, PO

Acerca de mim

Arquivo do blogue