segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Vai um gin do Peter's?

Após um despique renhido para a escolha da Personalidade do Ano de 2013, a conhecida revista norte-americana TIME elegeu o Papa Francisco. No sprint final estavam as 10 figuras consideradas mais mediáticas para a sociedade dos EUA. Ali figuravam Obama, Snowden ou a cantora Miley Cyrus, entre outros. Mas foi sobre o Papa, eleito há 9 meses, a 13 de Março de 2013, que recaiu a escolha, tal o carisma do Cardeal jesuíta argentino.


O melhor representante do Novo Mundo, para chegar a todos.

De seguida, o Parlamento Europeu considerou o Pontífice o «Comunicador do Ano», que o responsável pela pasta da Comunicação, no Vaticano, comentou nestes termos: «Deus fala através dos acontecimentos diários e o Papa Francisco leva-nos para um misticismo que dá espessura à actualidade, aprendendo a ouvir e a ver Deus, que nunca se cansa de agir em cada momento da nossa vida, da história. Escutar, perceber, reconhecer o Mistério Divino em cada instante, aprender a renascer com Cristo sempre presente, apaixonar-se pelo infinito através do instante fugaz de cada coisa

Nem aos selfies se tem furtado, figurando como um pastor manso, mas firme, suave nos modos, mas interpelativo na mensagem, numa combinação cheia de humor e conteúdo, que está a espantar o mundo. Às consagradas tem recomendado que: sorriam como as hospedeiras; num encontro para sacerdotes e seminaristas esclareceu que não há santos tristes, têm de transmitir e erradiar alegria; nas Jornadas Mundiais da Juventude, aos milhões de jovens apinhados no extenso areal de Copacabana, pediu coragem para defenderem os valores humanos que o cristianismo prega, e também para serem felizes!



Mas a sua simplicidade e atenção aos mais frágeis ainda tem conseguido surtir mais efeito do que todas as intervenções, ditas num tom inovador e arejado, que não se esperaria do mais alto dignitário de uma instituição bimilenar. Para festejar os seus 77 anos, a 17 de Dezembro, convidou quatro sem-abrigos da rua onde habita para tomar o pequeno-almoço no Vaticano, logo após a missa diária matinal.

A forma como é referido pela maioria, apenas pelo nome próprio de Francisco, dispensando a numeração cardinal e até o título, explicam bem a proximidade que conquistou, em escassos meses. O nome adoptado, evocando o Santo de Assis, já tinha dado um primeiro sinal. Mesmo assim, foi com comoção que o gesto de ternura do Papa para com um doente italiano, desfigurado por uma doença rara, que o torna difícil de olhar (fará de tocar), valeu por uma tese completa de doutoramento sobre Amor ao próximo, de A a Z, com aulas práticas… As mais difíceis!

Já muito foi dito sobre este encontro espantoso. Faltava só ouvir o próprio doente, que explica melhor do que ninguém a grandeza tão simples quanto rara do carinho transmitido por Francisco: «Primeiro beijei-lhe a mão e ele, com a outra, deu-me festinhas na cabeça e nas feridas. Depois agarrou-me com um abraço apertado e deu-me um beijo na cara. Tinha a cabeça contra o seu peito, enquanto os seus braços me aconchegavam. Foi um abraço mesmo forte. Tentei falar, balbuciar qualquer coisa mas não consegui, tal era a emoção! Durou pouco mais de um minuto, mas a mim pareceu-me uma eternidade. No final, voltei-me para a minha tia e disse-lhe: ‘deixo aqui as minhas dores, fica aqui tudo o que tenho sofrido.’ As suas mãos eram suaves e lindas, o sorriso transparente e aberto. Mas, o que mais me impressionou, foi não ter hesitado minimamente em me abraçar. Não contagio ninguém, só que o Papa não o sabia. E fê-lo, sim: acariciou-me na cara e, enquanto o fazia, só sentia amor



Tamanha generosidade ajuda-nos a sintonizar com o espírito humilde e de máxima abertura à humanidade encarnado pelo Bebé de Belém. Saber que é mesmo possível, em carne e osso, como o Papa ajuda a demonstrar, será das melhores formas de oferecer a Noite Santa à nossa geração, neste final de 2013. Claro que nos deixa toda a liberdade de nos aproximarmos da Gruta ou seguirmos outro caminho... Qualquer que seja a opção, BOAS-FESTAS a todos, com mais Natal, se conseguirmos que seja possível.

Maria Zarco

(a  preparar o próximo gin tónico, para daqui a 2 semanas)


Selfie de teenagers com o Papa

1 comentário:

Anónimo disse...

Obg pelo texto e pela partilha.
Bom Natal,
fq

Acerca de mim

Arquivo do blogue