terça-feira, 3 de junho de 2014

Duas Últimas

Não conheço Anselmo Ralph. Talvez tivesse ouvido o nome do cavalheiro uma ou duas vezes, mas estou numa fase bem mais maçadora. Fixo Santo Agostinho,  Hanna Arendt, Mário de Sá-Carneiro e a forma como se suicida ele, ou o outro que é ele também, na Confissão de Lúcio. Falo de confissões, do modernismo, dos sermões e dos triângulos que povoam o imaginário do poeta que se matou com cinco frascos de estricnina aos vinte e seis anos. O meu tempo para Anselmo Ralph é diminuto, portanto.

Ontem, eram quase dez da noite e, atormentado com uma carga e trabalho suplementar, não tinha nada para postar. Viro-me para o lado e para a frente e pergunto: posto o quê? posto o quê? A resposta foi rápida: ponha Anselmo Ralph! Ponha Anselmo Ralph! Não há garantia de que tudo fosse a dobrar, mas enfim, sempre compõe o texto.

Depois sugeriram-me ainda - a minha querida filha, tão sabedora destas modernices - que postasse Kátia Guerreiro, que eu conheço, até de a cumprimentar com um beijo respeitoso de cá e simpático de lá. Enfim, retomo o cerne da questão. 

Deixo-vos com Anselmo Ralph. E deixo-vos ainda com Anselmo Ralph e com Kátia Guerreiro, ambos os dois em simultâneo. No fundo é isto, está feito o post da 3ªfeira. 

JdB


Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue