quinta-feira, 19 de julho de 2018

Duas Últimas

Leio no Diário de Notícias que Paul Simon deu em Londres, no passado domingo, o seu concerto de despedida na Europa, já que haverá uma digressão pelos EUA que culmina com um concerto em Nova Iorque, a 22 de Setembro. E diz a jornalista: [A]final, a digressão Homeward Bound, que rouba o título a uma canção escrita para Kathy Chitty, a secretária de escritório de Essex que foi a primeira musa de Simon, é uma carta de amor e de saudade, um desejo de regresso a casa que, nesse momento, era o Reino Unido.

Gosto muito de Paul Simon, em particular quando o nome artístico dele (passe a expressão pateta) era Simon and Garfunkel. Foi assim que o conheci, foi assim que o acompanhei mais proximamente. Fui sabendo da sua carreira a solo de uma forma mais errática mas, mesmo assim, sempre interessado. Um dia destes voltei a ouvir o memorável concerto da dupla no Central Park, em Setembro de 1981. Conheço tudo tão bem, mas tão bem, que sei o momento certo das ovações, o que vão dizendo os músicos, a altura em que um entra a desoras, os versos acrescentados ao The Boxer.

Mas o artigo da jornalista, pese embora eventuais incorrecções (nomeadamente a alusão à não militância política de Paul Simon, ao contrário de Bob Dylan, o que foi desmentido num comentário), fixou-me a atenção pela ideia do desejo de regresso a casa, uma metáfora que me acompanha desde que comecei a viajar e que trabalhei de forma mais pensada num trabalho para a faculdade.

Deixo-vos com letra e imagens de Homeward Bound, da autoria de Paul Simon. Cada um de nós fixará os versos que mais lhe tocam.

JdB

Homeward Bound

I'm sitting in the railway station.
Got a ticket to my destination.
On a tour of one-night stands my suitcase and guitar in hand.
And every stop is neatly planned for a poet and a one-man band.
Homeward bound,
I wish I was,
Homeward bound,
Home where my thought's escaping,
Home where my music's playing,
Home where my love lies waiting
Silently for me.

Every day's an endless stream
Of cigarettes and magazines.
And each town looks the same to me, the movies and the factories
And every stranger's face I see reminds me that I long to be,
Homeward bound,
I wish I was,
Homeward bound,
Home where my thought's escaping,
Home where my music's playing,
Home where my love lies waiting
Silently for me.

Tonight I'll sing my songs again,
I'll play the game and pretend.
But all my words come back to me in shades of mediocrity
Like emptiness in harmony I need someone to comfort me.
Homeward bound,
I wish I was,
Homeward bound,
Home where my thought's escaping,
Home where my music's playing,
Home where my love lies waiting
Silently for me.
Silently for me.

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue