terça-feira, 10 de novembro de 2009

O baile dos sem-ninguém

Toda a gente sabia o que lá acontecia, mas ninguém falava sobre isso. Alguns já lá tinham ido, mas não comentavam. Quem por ali passava sem conhecer, via mais uma porta fechada no meio de prédios deixados ao abandono, quem passava conhecendo, via os sonhos que se abriam para lá dessa porta.

Chamavam-lhe o baile dos sem-ninguém. E não era nem mais nem menos que isso. Uma banda debitava ritmos que apelavam à dança, e quem lá estava dava-lhes uso. Tango, para os mais arrojados, gavotte para os mais conservadores. Samba, para os animados, valsa para os cabisbaixos. Foxtrot, para os americanos, paso doble para os europeus.

Havia de tudo para todos os gostos. Ali, cada um podia ser quem quisesse, não havia olhares julgadores nem segredos sussurrados entre dentes.

Iam lá para fugir do ingrato de uma busca que parece não ter fim, ou apenas para tentar encontrar alguém igual. Alguns, por sua vez, iam lá arejar o coração e tirar o pó a algumas vergonhas.

As portas estavam sempre abertas e todos eram bem-vindos ao baile. Não era preciso convite ou cartão de sócio, só conhecer alguém que já lá tivesse ido e estivesse disposto a partilhar a morada. Não vinha anunciado nas páginas amarelas. Não por vergonha, apenas como tentativa de tentar manter o local como uma espécie de segredo bem guardado que só se revela em confissões ciciadas, e que começam por ‘o que vou dizer-te não podes repetir a ninguém’.

E porque nesse baile nem tudo é ciúme ou desencontro, foram muitos os que de lá saíram com alguém pela mão. Havia noites em que uma estrela brilhava para alguns e, entre os passos de dança e os compassos da banda iam-se juntando, até que a certa altura deixavam de pertencer ao baile dos sem-ninguém. Porque essa era a única condição de entrada.

SdB (III)

1 comentário:

Anónimo disse...

Que ideia tão curiosa ... curiosa sobretudo porque nos deixa em suspenso... para mim este texto deixou-me completamente em suspenso quanto ao que realmente se passa neste baile à porta fechada... e isso está muito bem apanhado... boa! pcp

Acerca de mim

Arquivo do blogue