sábado, 14 de novembro de 2009

Sobe a montanha, vê a vista

Traz-me outra, que não seja essa. Dignifica a tua luta. Ou vai com as ondas, vai com os ventos. Descobrir onde te dói. A vida dir-te-á quanto. Do que sente, nunca mente. Ganhei, parece-te, como foi? Deitar fora a amargura? Oh, é o tempo que o consegue. Já nem a saudade a cura. Nem ela, a saudade, vem. Íngreme caminho esse. Remédio de toda a ferida.

DaLheGas

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue