sexta-feira, 6 de novembro de 2009

sim, isto era um homem

eras jovem, nesses dias.
descobrias o mundo como nos versos adolescentes que agora mimetizas,
recordação na ponta dos dedos de qualidades há muito perdidas
- como a inocência.

eras jovem, nesses dias.
cada disco novo era, para ti e para os teus amigos, uma quase epifania,
a mais bela das mais belas catedrais há muito esquecidas,
- uma religião inteirinha ready made.

eras jovem, nesses dias.
rezavas ao ian, ao jim, a todos esses heróis geracionais,
que os mais velhos passavam aos mais novos,
- o santo graal mais precioso

bebido em volta das colunas de som.
(e tu,
crente entre os crentes,
como anos mais tarde
perante o amor.)

eras jovem, nesses dias.
o mundo ajoelhava-se perante ti (here come the young men!),
e era tudo o que precisavas de saber,
- mesmo que o verbo certo fosse, sabes hoje, sentir.

eras jovem, nesses dias.
e, descobrias maravilhado,
que ainda eras um homem.

um homem,
nesses dias.

um homem,
por uns dias.


gi

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue