sábado, 27 de dezembro de 2008

meu amor vou-te deixar

Tão convincente és no abandono e nunca cumpres. Acabas sempre aqui. Sufocado de saudades, a roer ciúmes, atraiçoado pela voz maldita que reivindica o que é teu. Só teu. A posse é a conquista deste vai e vem.

Tão convincente eu no teu abandono que me vence. Na aceitação com que remato o desespero, na persistência que imprimo à esperança, na culpa sacudida docemente dos teus ombros, dos meus. Voamos outra vez.

Tão convincentes somos neste embalo que a nenhum ocorreu ainda – meu amor, para a alma, cada abandono é sem sentido e o nosso voo perde altura.


DaLheGas

7 comentários:

Anónimo disse...

E eis que se fez poesia.... lindo texto DaLheGas ! Disponha-o, graficamente, em forma de verso e teremos um verdadeiro poema, genuíno grito de alma, belo, profundo e inebriante.

ana v. disse...

E eu diria que o deixes estar assim mesmo, sem alterar uma vírgula sequer... é pura prosa poética, um género de que cada vez gosto mais.
Parabéns, DaLhe.

DaLheGas disse...

Mulheres, mulheres, levei o dia a corar à conta desta posta. Cheguei a agradecer a supressão de parágrafos que meu editor fez. Compacto, talvez se leia pior, e passe despercebido. Mulheres, mulheres, à vossa!

Anónimo disse...

Soberbo, Dalhe!

Que faço eu aqui e tu aí?

Este Mundo está errado.

RF

DaLheGas disse...

faz o que tens a fazer RF e não resmungues. foi um presente teres gostado :)

Anónimo disse...

Tão convincente é, na prosa, também poética. Fique.
O voo ganha altura.

Á espera de mais, fico.

DaLheGas disse...

ahh a. :)) ! lol

Acerca de mim

Arquivo do blogue