segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Vai um gin do Peter’s?

4 comentários:

Anónimo disse...

Depois de se ler um poema destes - magnífico de tão pungentemente humano que é - não sei como se consegue acreditar no Universo, no mundo ou em qualquer outra coisa. Ou na renovação interior ou nas alegrias do futuro. Este poema é chegar ao fundo dos fundos. E quando se está no fundo dos fundos, não se vê nada de bom. Só se tem de esperar que o nevoeiro passe... Mas sim, é verdade, "nada se perde, tudo se transforma", como já dizia o Lavoisier. Bjs e boas férias também para ti. PS: A doçura da imagem do Leo é inexcedível. Obrigada por mo relembrares. pcp

Anónimo disse...

Sim, sim, a vida tem muito lusco-fusco, cheia de contrastes. Nem tudo é luz. E nem tudo é escuridão. Mas não é fácil -- quando se vive intensamente um dos momentos -- conceber (ou acreditar) q. o outro reverso (seja melhor, seja pior) tb existe. Bjs e tb para ti, pcp, umas optimas ferias, MZ

Ana LA disse...

Bela escolha.

Para mim, estas palavras são de viragem, não a declaração de um fim.
A única frase que me perturba é "meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada". Isto sim é assustador. A imposição de um passado, sem presente e sem futuro!
Boas férias.

Anónimo disse...

Concordo consigo, Ana. Até diria que o ADEUS, embora lindo e muito inspirado, cede muito ao desgosto. Quase curte a própria dor e, por isso, superabunda de expressões de desistência, como a que a Ana citou. Boas férias tb para si, MZ

Acerca de mim

Arquivo do blogue