domingo, 23 de setembro de 2012

Domingo, Se Fores à Missa...

A criança, na sua essência, não sente rancor nem inveja; não conhece o mal nem a mentira.  Não se preocupa se é o maior ou se chega em primeiro lugar. Estas características são fruto de uma sociedade que se impõe, uma sociedade que nos impõe metas e ambições, que nos transforma e nos deforma, nos agride e nos regride. A criança, em si, não tem maldade e é por isso que Jesus escolhe, precisamente, uma criança para explicar aos discípulos a forma de chegar ao Pai.  
À medida que vamos crescendo, vai crescendo em nós a importância de sermos os melhores, os mais rápidos, os mais ricos, os mais inteligentes... Não há nada de errado em sermos bons, rápidos, ricos ou inteligentes! O problema é quando isso se torna o centro da nossa vida e da nossa vivência e, às tantas, ficamos cegos para o que está à nossa volta. Queremos ser os primeiros e não olhamos a meios para o atingir, porque nascemos inteligentes, desprezamos os que o não são, fizemos fortuna e não sabemos partilhar. A mensagem que tiro desta leitura é simples: não esqueçamos a criança que há em nós, deixemos que ela continue a pautar as nossas decisões e as nossas acções, em toda a sua pureza e simplicidade. A competitividade e a concorrência são coisas dos homens e não de Deus. Deus ama-nos a todos igualmente, cada um com o seu ritmo, cada um com as suas virtudes e defeitos. Não precisamos competir uns com os outros; antes, deixemo-nos amar por Ele.

Domingo Se Fores à Missa, sê Criança !

Maf

Evangelho segundo S. Marcos 9,30-37.

Naquele tempo, Jesus e os seus discípulos atravessaram a Galileia, mas Ele não queria que ninguém o soubesse,
porque ia instruindo os seus discípulos e dizia-lhes: «O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens que o hão-de matar; mas, três dias depois de ser morto, ressuscitará.»
Mas eles não entendiam esta linguagem e tinham receio de o interrogar.
Chegaram a Cafarnaúm e, quando estavam em casa, Jesus perguntou: «Que discutíeis pelo caminho?»
Ficaram em silêncio porque, no caminho, tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior.
Sentando-se, chamou os Doze e disse-lhes: «Se alguém quiser ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos.»
E, tomando um menino, colocou-o no meio deles, abraçou-o e disse-lhes:
«Quem receber um destes meninos em meu nome é a mim que recebe; e quem me receber, não me recebe a mim mas àquele que me enviou.»

Sem comentários:

Acerca de mim

Arquivo do blogue