quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Moleskine


Vocações.  Domingo passado, por altura da oração dos fiéis, o prior de Santo António pediu para rezarmos também pela MM que ingressaria numa ordem de freiras contemplativas. Há alguns anos, um outro filho deste meu amigo e colega de liceu ingressaria nos jesuítas. Embora não inédito, é raro numa mesma família haver duas vocações (na órbita deste estabelecimento temos um exemplo com três vocações), pelo que o tema faz-nos pensar. A grande maioria dos meus Amigos são católicos (na expressão modernamente errada, praticantes).  Todos damos valor à oração, todos vamos à missa por rotina, tradição ou gosto, todos temos respeito e amizade pelos consagrados. Nalguns casos, mesmo, admiração. No entanto, uma grande franja dos meus Amigos (os tais católicos praticantes) não gostaria de ter um filho/a consagrado. No fundo, no fundo, não prescindimos de uma missita. O que não queremos é que sejam os nossos filhos a celebrá-la...

Criatividade. Uma evolução na procura de emprego. Tenho a dizer que não conheço a Carolina. Mas desejo-lhe tudo do melhor.



Gabriela cravo e canela. Vi dois episódios da novela que passa na SIC. Penso que terei visto os dois únicos, uma vez que escrevo na 4ªfeira à hora de almoço. À luz do que sei hoje o meu olhar é crítico. Talvez os meus fiéis leitores que têm a minha idade, ou mais velhos, possam pronunciar-se. Gabriela foi a primeira novela brasileira que passou em Portugal. Corria o ano de 1977 e, cinco dias por semana, em horário nobre (bem mais cedo do que é agora) o país parava para ver a trama, a representação, a sensualidade, o sotaque. Tudo era novo para nós. Não se falava para casa de ninguém, não se atendiam telefones, não se recebia quem não seguisse a novela com o mesmo fervor. Tudo foi de tal forma marcante que a repetição, com outros actores igualmente bons, me sabe um pouco a ranço. Num tom mais ligeiro, a sensualidade da Gabriela de agora é apimentada com alguma nudez... 
Vale a pena ouvir uma das faixas da novela de 1977.



Madrid. À hora a que me lerem estarei em Madrid. Aproveitarei, entre outras coisas, para ir ao Vale dos Caídos. O pior será o calor que se faz pela capital...


(fotografia tirada da net)

JdB

1 comentário:

Anónimo disse...

Tem graça que eu conheço a Carolina! Quanto a vocações, acho que é uma Graça vivermos num sítio tão 'fértil' em consagrados e consagradas (sobretudo porque, até ver, não são da nossa família). Já a Gabriela acho que a minha condição de católica "praticante" não me deixa ver nem meio episódio. MFM

Acerca de mim

Arquivo do blogue